Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Superliga Feminina é lançada com Sesi e Rio do Sul como novas equipes

A 18edição da Superliga feminina de vôlei foi lançada nesta terça-feira, em São Paulo. Contando com a presença das estrelas das equipes que disputarão o maior torneio nacional, a Confederação Brasileira de Voleibol (CBV) detalhou o formato da disputa e apresentou a inclusão de dois novos na competição.

A nova fórmula de pontuação do campeonato, cujo início está marcado para o dia 9 de dezembro, seguirá o padrão da Federação Internacional de Voleibol (FIVB).

Sendo assim, da mesma forma que a Copa do Mundo, uma vitória por 3 sets a 0 ou 3 sets a 1 renderá três pontos ao vencedor, enquanto que um triunfo por 3 sets a 2 valerá dois para o time vitorioso e um para os derrotados. Caso uma equipe não compareça a um duelo, o time ausente será punido com menos dois pontos na classificação.

Logo na abertura do lançamento, o presidente da CBF, Ary Graça, destacou a importância da Superliga no cenário deste esporte no país. ‘Mais uma vez, esta Superliga tem tudo para ser uma das melhores competições do mundo. O voleibol é o segundo esporte na preferência do brasileiro, mas o primeiro entre as mulheres. Essas atletas são merecedoras, se dedicam. Nos dias de hoje, é difícil ser uma atleta profissional com disciplina. E todas elas são’, disse.

Para esta temporada, a Superliga contará com duas novas equipes, o Sesi, de São Paulo e o Rio do Sul. Atual campeão no masculino, o Sesi montou um time feminino e contará com grandes estrelas da Seleção Brasileira, como a levantadora Dani Lins e a ponteira Sassá. Tradicional estado do voleibol brasileiro, Santa Catarina será representado pela equipe de Rio do Sul, equipe campeã da Liga Nacional 2011.

‘As expectativas para esta Superliga são as melhores possíveis. Temos um novo time, que mesclou jogadoras novas com outras de destaque no cenário nacional. Neste nosso ano de estreia, queremos, sim, lutar para chegar à final’, disse Dani Lins.

Já o time do Rio do Sul quer dar alegria à população de sua cidade, afetada com problemas de uma grande enchente. ‘Conquistamos o direito de participar da Superliga dentro de quadra na Liga Nacional. Vamos buscar fazer bons jogos para levar boas energias para a nossa torcida. São torcedores que gostam muito de voleibol e precisam de felicidade para superar os problemas decorrentes das chuvas’, encerrou Rogério Portela, técnico do time catarinense.