Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Suíça não vai conceder liberdade condicional a Marin

Ex-presidente da CBF está detido nos arredores de Zurique desde quarta-feira. Segundo autoridades, haveria risco de fuga do país caso ele fosse liberado da prisão

Por Da Redação 29 Maio 2015, 10h16

A Justiça suíça não deverá autorizar o ex-presidente da CBF, José Maria Marin, a aguardar em liberdade a uma eventual extradição para os Estados Unidos. Segundo o Departamento de Justiça de Berna, o brasileiro não tem propriedades na Suíça e haveria “risco de fuga” se ele recebesse permissão para ir a um hotel. Há dois dias, a Justiça americana entregou um pedido oficial para que ele outros seis dirigentes ligados à Fifa detidos em Zurique sejam extraditados. Marin, porém, entrará com recurso e seguirá preso na Suíça por enquanto.

Leia também:

CBF retira o nome de José Maria Marin de sua sede

Protestos marcam início da eleição na Fifa

Del Nero defende Marin e culpa gestão de Ricardo Teixeira

Del Nero chega ao Rio de Janeiro após sumir de Zurique

“A norma é a de não conceder a liberdade condicional nesses casos”, declarou Folco Galli, porta-voz do governo suíço. Segundo ele, o fato de Marin ser um estrangeiro ainda agrava essa situação. Se o governo dos Estados Unidos não apresentar provas em quarenta dias, os sete dirigentes serão liberados. O processo de extradição pode levar até seis meses e, enquanto isso, ele está em uma cela individual com banheiro em uma prisão nos arredores de Zurique.

O Departamento de Polícia suíço revelou que o cartola de 83 anos “passa bem” e está recebendo todos os serviços que são garantidos a detentos, inclusive assistência jurídica. As autoridades decidiram dividir os dirigentes presos nesta semana em diferentes locais para evitar que possam “conversar ou trocar informações” sobre o caso.

(com Estadão Conteúdo)

Continua após a publicidade
Publicidade