Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Sucesso de público, Copa do Mundo de rúgbi começa na Grã-Bretanha

Torneio com 20 seleções deve ter impacto econômico de 3 bilhões de euros na Inglaterra e no País de Gales. No Brasil, modalidade vem crescendo

A Copa do Mundo de rúgbi, um dos eventos esportivos mais importantes do planeta, será aberta nesta sexta-feira sob grande expectativa – mas sem a participação do Brasil, onde a modalidade está em desenvolvimento, mas ainda não é popular. As favoritas entre as 20 seleções participantes são Austrália, França, África do Sul, a atual campeã Nova Zelândia e a Inglaterra, sede da competição junto com o País de Gales. A Copa do Mundo deve atrair mais de 466.000 visitantes ao Reino Unido, superando todas as edições passadas, segundo estudo feito pela Ernst & Young – ficaria atrás apenas das Copas do Mundo de futebol de 2014, 2006, 2010 e 2002, respectivamente, entre os eventos esportivos de modalidade única com maior público da história.

Nova Zelândia vence França e é campeã mundial de 2011

O torneio terá 11 cidades sede e terá jogos em 13 estádios, incluindo o tradicionalíssimo Wembley, palco da final. A expectativa é que 95% dos lugares em média estejam preenchidos em todas as partidas. A Ernst & Young estima que os torcedores vão deixar 1,19 bilhão de euros (5,1 bilhões de reais) em gastos diretos na Grã-Bretanha e o impacto econômico do evento será de 3 bilhões de euros (13 bilhões de reais).

O jogo de abertura será entre Inglaterra e Fiji, nesta sexta-feira, às 16 horas (horário de Brasília), no Twickenham Stadium, em Londres. Os ingleses não conquistam o título desde 2003, quando superaram a favorita Austrália em uma final épica, na casa do adversário, na prorrogação. O defensor do título é a tradicional Nova Zelândia, conhecida como All Blacks, por causa do uniforme preto. A equipe da Oceania conquistou o título de 2011 ao superar a França, em casa, e tentará manter a posse do Troféu William Webb Ellis. O torneio será transmitido no Brasil pelos canais ESPN.

Brasil – Ainda engatinhando no país, o rúgbi é praticado em 119 países e é um dos esportes mais populares no mundo. A modalidade foi incluída no programa olímpico – na Rio-2016, será jogada na versão de rugby sevens, jogado por sete atletas em cada equipe, diferente do tradicional, com 15 atletas, como na Copa do Mundo. Os dirigentes brasileiros acreditam que a Copa e a Olimpíada podem fazer crescer o interesse dos brasileiros pelo rúgbi.

“Esperamos que muitos brasileiros possam assistir pela primeira vez ao esporte, chegar a conhecer e se interessar. Além disso, a Copa do Mundo ajudará a consolidar uma base crescente de fãs já existente no país, hoje estimada em mais de três milhões de brasileiros”, disse Agustín Danza, CEO da CBRu (Confederação Brasileira de Rugby).

Leia também:

Pesquisa aponta rúgbi como esporte com maior potencial de crescimento

Rúgbi: aos trancos, em busca de um caminho no Brasil

Rúgbi ganha espaço em palco improvável: a escola pública

O projeto do Brasil é estar na Copa do Mundo em 2023, mas para tentar popularizar a modalidade, a CBRu fará ações nas redes sociais e em bares temáticos. “Faremos a final do Campeonato Brasileiro da 1.ª Divisão no mesmo dia da final da Copa do Mundo, em um horário mais cedo. A ideia é colocar um telão depois da partida para que a torcida possa ficar e assistir à decisão da Copa do Mundo, fazendo do dia uma festa de rúgbi”, explicou o dirigente.

Para tornar o objetivo de ir pela primeira vez a uma Copa do Mundo, a confederação está trabalhando em duas frentes: detecção e formação de talentos, e disputa de partidas internacionais. A ideia é ter uma base grande para escolher os melhores e dar a ela experiência para enfrentar as grandes equipes. “O objetivo é que os jogadores possam ter uma quantidade importante de jogos por ano para poder implementar e desenvolver as habilidades treinadas, além da tomada de decisão”, concluiu Danza, ciente de que a meta é ambiciosa. Por ser país sede, o Brasil tem vaga assegurada no rúgbi na próxima Olimpíada.

(Com Estadão Conteúdo)