Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

STJD processará Cruzeiro por venda de ingressos da final

Clube descumpriu determinação que o obrigava a liberar 10% da carga de ingressos do jogo de volta da final da Copa do Brasil nesta quarta, no Mineirão

Por Da Redação 26 nov 2014, 17h47

O presidente do Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD), Caio Rocha, negou nesta quarta-feira o pedido feito pelo Cruzeiro de reconsiderar a determinação que obrigava o clube a liberar 10% da carga de ingressos do jogo de volta da final da Copa do Brasil, contra o Atlético-MG, nesta quarta, às 22 horas, no Mineirão. Para completar, Rocha informou que pedirá para a Procuradoria Geral do tribunal, órgão independente do STJD, denunciar e processar o atual bicampeão brasileiro por descumprir a liminar concedida ao Atlético-MG.

Leia também:

Copa do Brasil: saiba quais marcas estão em jogo na final

Disputas entre os cartolas esfriam maior clássico de Minas

Campo do Mineirão preocupa para 2ª final da Copa do Brasil

Campeão Cruzeiro encurta festa pensando na tríplice coroa

Rocha destacou em seu parecer que o Cruzeiro agiu “irresponsavelmente ao iniciar venda de ingressos sem combinar com os órgãos de segurança um esquema que permitisse o acolhimento da torcida do Atlético num setor específico, de acordo com a cota de 10% da carga total”. Em seguida, o presidente do STJD assinalou que o clube descumpriu o que manda o Regulamento Geral das Competições (RGC) ao não ceder à torcida atleticana “a cota normal de ingressos prevista”.

De acordo com Rocha, o pedido de denúncia e processo será feito com base nos artigos 191, 211, 213, 221, 223 e 243-A do Código Brasileiro da Justiça Desportiva (CBJD). Com isso, o clube corre o risco de sofrer punições que variam de uma multa entre 100 reais e 100.000 reais, a perdas de mando de campo, suspensão de dirigentes e até anulação do resultado de uma partida. “Todas as penas podem ser cumulativas, ou seja, somadas, além de aplicadas contra o clube e seus dirigentes”, informou o STJD nesta quarta.

Continua após a publicidade

Leia também:

Atlético-MG vence o Cruzeiro e abre vantagem na decisão

Clássico mineiro será oitavo dérbi a decidir título nacional

Levir x Marcelo: um duelo particular para evitar ser ‘trivice’

Espaço – Na última sexta-feira, Rocha havia concedido liminar ao pedido do Atlético-MG obrigando o Cruzeiro a disponibilizar até 10% da capacidade do Mineirão. Ou seja, 6.217 ingressos para a torcida visitante neste confronto de volta da decisão. O STJD enfatizou que os ingressos deveriam ter sido comercializados com os mesmos valores que os vendidos para setores correspondentes do estádio ocupados pelos cruzeirenses.

O Cruzeiro, porém, disponibilizou apenas 1.813 bilhetes para os atleticanos, que ocuparão menos de 5% da capacidade do Mineirão nesta quarta. Antes disso, o clube chegou a oferecer uma carga de 2.736 entradas de uma área considerada VIP no Mineirão, ao preço de 1.000 reais cada uma. Entretanto, o número de ingressos acabou reduzido a 1.813 depois de a Polícia Miliar exigir um espaço vazio entre as duas torcidas no estádio.

Na quinta-feira, a Justiça mineira ainda expediu uma liminar limitando em 500 reais o preço dos ingressos para a torcida do Atlético para este segundo jogo da final. A decisão atendeu pedido do Ministério Público Estadual (MPE), que acusou o Cruzeiro, mandante da partida, de promover aumentos de até 833% nos preços dos bilhetes que oferecidos ao rival sem a “devida proporção, justificativa e critérios razoáveis”.

Segundo determinação do juiz José Maurício Cantarino Villela, da 29.ª Vara Cível do Fórum Lafayette, em Belo Horizonte, o Cruzeiro terá de pagar multa de 10.000 reais para cada bilhete vendido por mais de 500 reais. O juiz concordou com os argumentos do MPE de que, apesar de as regras da Confederação Brasileira de Futebol (CBF) permitirem ao mandante definir o valor das entradas para o jogo, qualquer preço deve ser estipulado pelo “mesmo parâmetro” para todo o estádio, sem “a alteração substancial de preços em um mesmo setor”.

(Com Estadão Conteúdo)

Continua após a publicidade
Publicidade