Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Sindicato de jogadores pede maior policiamento para evitar atos de racismo

Por Da Redação 11 jun 2012, 12h45

Bruxelas, 11 jun (EFE).- O sindicato mundial de jogadores profissionais de futebol (FIFPro) reivindicou nesta segunda-feira uma maior presença policial durante os jogos e treinos das seleções que participam da Eurocopa, a fim de evitar atos de racismo, como os que ocorreram na primeira rodada do torneio.

Em comunicado, a FIFPro apoiou o pedido feito anteriormente pela Uefa às autoridades locais dos países anfitriões da Europa para aumentar o efetivo policial nas sedes da Polônia e Ucrânia.

Concretamente, o sindicato aponta os ‘sons de macaco’ que foram ouvidos durante uma sessão de treinos da seleção holandesa, em Kharkiv, na última quarta-feira, além dos insultos racistas dirigidos ao lateral-direito tcheco Gebre Selassie, durante o confronto entre República Tcheca e Rússia, na sexta-feira em Wroclaw.

A entidade também citou informações da imprensa italiana e inglesa, sobre os xingamentos racistas de torcedores espanhois dirigidos ao atacante italiano Mario Balotelli, durante o duelo entre Espanha e Itália, disputado ontem em Gdansk.

O porta-voz de FIFPro, Tony Higgins, pediu ao Governo polonês que ‘cumpra sua promessa’ de não tolerar este tipo de comportamento durante a competição. EFE

Continua após a publicidade
Publicidade