Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Sete grandes duelos para acompanhar nos Jogos de Tóquio

Maior evento esportivo do planeta será palco de rivalidades no surfe, natação, futebol, judô, rúgbi, entre outros; marque na agenda o dia dos confrontos

Por Moreno Bastos Atualizado em 20 jul 2021, 14h45 - Publicado em 21 jul 2021, 07h30

Diz um dos mais conhecidos lemas do Barão de Coubertin, o pai dos Jogos Olímpicos da Era Moderna, que “o importante é competir”. Quem não gosta, porém, de uma boa e apimentada rivalidade movida à ambição pela vitória? Os Jogos Olímpicos de Tóquio serão oficialmente abertos no próximo dia 23, em cerimônia no Estádio Olímpico da capital japonesa, às 8h (de Brasília) e até o dia 8 de agosto, reservará uma série de duelos empolgantes madrugada adentro.

Confira uma lista dos principais confrontos e marque o dia e horário para vê-los em sua agenda.

1 – Katie Ledecky (EUA) x Ariarne Titmus (AUS) – Natação

GWANGJU, SOUTH KOREA - JULY 21: (L-R) Silver medalist Katie Ledecky of the United States and gold medalist Ariarne Titmus of Australia pose during the medal ceremony for the Women's 400m Freestyle Final on day one of the Gwangju 2019 FINA World Championships at Nambu International Aquatics Centre on July 21, 2019 in Gwangju, South Korea. (Photo by Thiago Bernardes/Getty Images)
Katie Ledecky e Ariarne Titmus of Australia no Mundial de Gwangju na Coreia do Sul, em 2019 Thiago Bernardes/Getty Images

Aos 24 anos, Katie Ledecky é um ícone. A nadadora americana, que já acumula cinco ouros olímpicos e 15 títulos mundiais, vai a Tóquio com chances reais de se transformar numa lenda: ela pode ser a primeira mulher da história a conquistar 10 ouros em Olimpíadas (vai disputar os 200m, 400m, 800m e 1500m livre, além dos 4x200m livre). Mas, para isso, terá que superar Ariarne Titmus, a melhor desafiante que enfrentou. Estreante em Olimpíadas, a australiana já mostrou do que é capaz ao vencer os 400m livre no mundial de 2019, a primeira derrota de Ledecky em grandes eventos. Titmus é líder do ranking nos 200m e nos 400m, onde marcou recentemente 3:56.90, apenas 44 centésimos acima do recorde mundial da própria Ledecky, conquistado nos Jogos do Rio, em 2016.

Marque na agenda: (horários do Brasil)

400m livre –

Eliminatórias – 25 de julho (domingo) /a partir das 7h

Final – 25 de julho (domingo) /a partir das 22h30

200m livre

Eliminatórias – 26 de julho (segunda-feira) / a partir das 7h

Semifinal – 26 de julho (segunda-feira) / a partir das 22h30

Final – 27 de julho (terça-feira) / a partir das 22h30

800m livre

Eliminatórias – 29 de julho (quinta-feira) / a partir das 7h

Finais – 30 de julho (sexta-feira) / a partir das 22h30

2 – Estados Unidos x Japão – Softbol

A equipe americana de softbol durante as preliminares entre Estados Unidos e Venezuela, no terceiro dia dos Jogos Pan-Americanos em Guadalajara, México, em 17/10/2011
A equipe americana de softbol Dennis Grombkowski/Getty Images/VEJA

Ausente das últimas duas edições, o softbol fará uma retorno rápido aos Jogos Olímpicos. Será disputado em Tóquio, mas está fora de Paris, em 2024. A despedida poderia ser melancólica, mas é o tempero para uma revanche histórica. Isso porque na última participação da modalidade, em Pequim-2008, Estados Unidos e Japão protagonizaram uma final surpreendente. Dominantes, as norte-americanas jogavam para conquistar o quarto título, o que significava 100% das medalhas de ouro em olimpíadas. Depois de vencer as japonesas duas vezes nas fases anteriores, foram surpreendidas na decisão e derrotadas por 3 a 1. Finalistas das principais competições mundiais do esporte desde 2006, Japão e EUA têm tudo para repetir, 13 anos depois, a briga pelo ouro olímpico.

Marque na agenda: (horários do Brasil)

1ª fase – 25 de julho (domingo) / a partir das 22h

Disputa pelo bronze – 27 de julho (terça-feira) / a partir da 1h

Final – 27 de julho (terça-feira) / a partir das 8h

3 – Suécia x Estados Unidos – Futebol feminino

Seleção feminina é eliminada pela Suécia nos pênaltis no Maracanã
Seleção da Suécia fez a festa no Maracanã Daniel Kfouri/VEJA

Nos Jogos da Rio 2016, a seleção americana, em busca da quinta medalha de ouro, entrou nas quartas de final como franca favorita diante da Suécia. Mas, dirigida pela ex-técnica dos EUA e hoje comandante do Brasil, Pia Sundhage, as suecas endureceram e com uma forte estratégia defensiva levaram a decisão para os pênaltis, vencendo o jogo. O esquema fechado das rivais foi criticado pelas americanas, que em 2019 deram o troco na Copa da França, um dos cinco mundiais seguidos em que as duas equipes estiveram na mesma chave. Em Tóquio, a rivalidade ganhará, no mínimo, mais um capítulo. Elas estão no Grupo G, junto com Nova Zelândia e Austrália, que também vai brigar por uma das duas vagas para as fases finais. O jogo promete.

Marque na agenda: (horários do Brasil)

Fase de Grupos – 21 de julho (quarta-feira) / a partir das 5h30

Disputa pelo bronze – 5 de agosto (quinta-feira) / a partir das 5h

Final – 5 de agosto (quinta-feira) / a partir das 23h

4 – Gabriel Medina x Ítalo Ferreira – Surfe

Título garantido para o Brasil: só falta saber se será de Ítalo Ferreira ou de Gabriel Medina
Ítalo Ferreira e Gabriel Medina: dois favoritos ao ouro Kelly Cestarii/WSL/Getty Images

Uma decisão de título épica no principal palco do surfe mundial, Pipeline, no Havaí, em 2019. Assim foi estabelecida a grande rivalidade entre os brasileiros Gabriel Medina e Ítalo Ferreira. E, se depender deles, as ondas da praia japonesa de Tsurigasaki vão testemunhar mais uma disputa dos dois melhores surfistas da atualidade, dessa vez pela primeira medalha de ouro da categoria em Jogos Olímpicos. Medina e Ferreira são protagonistas da chamada “tempestade brasileira” (brazilian storm) que invadiu e venceu quatro etapas do circuito mundial do surfe nos últimos seis anos. Bicampeão (2014 e 2018), Medina vive grande fase e lidera o ranking. Ferreira está em segundo e é o atual campeão, título conquistado naquela final histórica em Pipeline, em 2019.

Continua após a publicidade

Marque na agenda: (horários do Brasil)

Segunda rodada

24 de julho (sábado) / a partir das 19h

Terceira rodada

25 de julho (domingo) / a partir das 19h

Quartas e Semifinal

26 de julho (segunda-feira) / a partir das 19h

Disputa pelo bronze e final

27 de julho (terça-feira) / a partir das 20h

*O calendário do surfe pode sofrer alterações, dependendo das condições das ondas. Se elas permitirem, a competição poderá ser concluída em quatro dias. Caso seja necessário fazer adiamentos, a programação da modalidade na Olimpíada prevê a disputa até o dia 1º de agosto.

5 – Nova Zelândia x África do Sul – Rugby de 7 (masculino)

Exatamente um século de disputa envolve Nova Zelândia e África do Sul no rugby. A maior rivalidade mundial neste esporte foi forjada e fortalecida pelos anos e o desempenho dos dois países, que possuem três Copas do Mundo cada. Um confronto que possui capítulos  importantes como o título dos africanos em 1995, que uniu o país após décadas de apartheid. Nas Olimpíadas, a modalidade disputada é rugby de 7 (atletas), ao invés dos tradicionais 15. Isso não diminui a competição nos Jogos de Tóquio. Os All Blacks (neozelandeses) são os atuais campeões mundiais na disciplina. Os Springboks (África do Sul) ficaram em 3º em 2018, mas em seguida conquistaram o mundial no rugby tradicional. Rivais e favoritos, os dois times também devem se preocupar com a equipe de Fiji, ouro no Rio de Janeiro.

Marque na agenda: (horários do Brasil)

Quartas de final – 27 de julho (terça-feira) – a partir das 4h30

Semifinal – 27 de julho (terça-feira) / a partir das 21h

Disputa do bronze e final – 28 de julho (quarta-feira) / a partir das 4h30

6 – Kyle Snyder x Abdulrashid Sadulaev – Luta Olímpica (estilo Livre)

Kyle Snyder x Abdulrashid Sadulaev
Kyle Snyder x Abdulrashid Sadulaev Natalia Fedosenko/Jonathan Newton/Getty Images

Campeões na Olimpíada do Rio de Janeiro por categorias diferentes, Kyle Snyder e Abdulsharif Sadulaev se enfrentaram pela primeira vez na final do mundial de 2017. Snyder, que defendia o título na categoria 97kg, venceu o adversário, que já era bicampeão do mundo nos 86kg, em uma luta eletrizante. Para Sadulaev era apenas a segunda derrota em toda a carreira. E a última até hoje. Na final do ano seguinte, o russo venceu rapidamente a revanche e impôs ao norte-americano a primeira derrota em torneios mundiais. Em 2019, um revés inesperado de Snyder na semifinal adiou o confronto, transformando a luta pela medalha de ouro nos Jogos de Tóquio no palco perfeito para o tira-teima entre o “Capitão América” e o “Tanque Russo”.

Marque na agenda: (horários do Brasil)

Oitavas de final / Quartas de final – 5 de agosto (quinta-feira) – a partir das 23h

Semifinal – 6 de agosto (sexta-feira) – a partir das 6h15

Repescagem / disputa pelo bronze / Final – 7 de agosto (sábado) – a partir das 6h45

7 – Teddy Riner x Hisayoshi Harasawa – Judô masculino

O judoca mais premiado da  história, Teddy Riner, chega à terra onde seu esporte nasceu em busca do terceiro ouro olímpico seguido. Diante do francês 10 vezes campeão mundial, os olhos estarão voltados para Hisayoshi Harasawa. O japonês, entre os melhores na atualidade, já entrou no tatame duas vezes contra o rival e perdeu. A primeira em 2016, na final dos pesos pesados (100kg +) no Rio, e a segunda no Grand Prix de Montreal, em 2019. No início de 2020, seu compatriota, Kokoro Kageura, venceu Riner em Paris, derrubando sua invencibilidade que já durava uma década. Kageura não foi escolhido para representar o Japão na Olimpíada de 2021, mas deixou Harasawa com a esperança de uma revanche vitoriosa. Os dois poderão se enfrentar duas vezes, já que Tóquio marcará a estreia da disputa por equipes mistas.

Marque na agenda: (horários do Brasil)

Repescagem, semifinal, disputa pelo bronze e final – 30 de julho (sexta-feira) / a partir das 5h

Disputa por equipes mistas

Eliminatórias, quartas, repescagem e semifinal – 30 de julho (sexta-feira) / a partir das 23h

Disputa pelo bronze e final – 31 de julho (sábado) – a partir das 5h

Continua após a publicidade
Publicidade