Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Sepang mostrou que o carro rende bem no seco e no molhado, diz Bruno Senna

Xangai (China), 12 abr (EFE).- O piloto brasileiro Bruno Senna (Williams), oitavo na classificação do Campeonato Mundial de Fórmula 1 após o sexto lugar em Sepang (Malásia), disse nesta quinta-feira em Xangai, onde nesta semana será disputado o Grande Prêmio da China, que seu carro demonstrou que está no ponto.

‘Foi uma grande corrida. Tivemos um ritmo forte e uma estratégia muito boa também, apesar do acidente na primeira volta que em teoria poderia ter influenciado negativamente no resultado’, declarou.

‘No entanto, na segunda corrida da temporada não cometi nenhum erro durante a prova, salvo na primeira volta, e isso me encoraja muito, mostra que o carro teve bom rendimento tanto no seco quanto no molhado, e tivemos ambas as condições na corrida’, avaliou Senna, quem acredita que isto representou ‘um bom esforço’ para ele e para sua equipe.

Senna não se atreveu a confirmar se essa combinação climatológica é a que permitiria obter melhores resultados nesta temporada, embora ‘o que é certo é que no início da temporada é melhor quando tens mais condições mistas’, como ocorreu em Sepang.

‘Ainda estou aprendendo e me adaptando à equipe, ao carro, aos pneus… e todo este período de adaptação exige algumas corridas, portanto espero superá-las o mais rápido possível, mas sim, com corridas como essa aumentariam as possibilidades de um bom resultado para nós mais adiante’, afirmou.

Ressaltou que para ele ‘quanto mais seca for a corrida, melhor’.

Sobre o que melhorou a Williams desde a temporada passada, Senna fez um trocadilho, lembrando uma famosa etapa do princípio do comunismo na China, nos anos 50, e afirmou que sua equipe deu ‘um grande salto adiante em termos de rendimento’.

‘As mudanças que tivemos fizeram com que a equipe se concentre definitivamente nas áreas adequadas, e agora tudo depende de nós, do Pastor e de mim’, declarou Senna, em referência a seu companheiro de escuderia, o venezuelano Pastor Maldonado. EFE