Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Sem clube, Thiago Pereira se diz preocupado com futuro

Nadador não renovou contrato com o Corinthians e deixou grupo de treinos comandado por Cielo

“O tempo está correndo. Quem me acompanha sabe que estou entre os top do medley há 10 anos e só em 2012 peguei medalha. Mas o resultado não foi só meu. Na natação, o pódio é de todos que me cercam”

Sem clube desde dezembro, quando acabou seu contrato com o Corinthians, o nadador Thiago Pereira está preocupado com seu futuro. O vice-campeão olímpico dos 400 metros medley nos Jogos de Londres teme que a ausência de apoio de um clube prejudique sua preparação para o ciclo olímpico que será encerrado no Rio de Janeiro, sede da Olimpíada de 2016. “Todo atleta de alto nível precisa de tranquilidade para treinar e competir. Uma situação como essa acaba interferindo. Há pouca movimentação no mercado e os nadadores estão preocupados. Engana-se quem pensa que a Olimpíada de 2016 não começou. Um grande resultado não sai de um dia pro outro. É preciso se comprometer antes e o esporte brasileiro como um todo sofre com indefinições. A natação e a ginástica são exemplos”, afirmou Pereira.

Leia também:

Cidade olímpica maltrata candidatos a medalhas em 2016

No Rio, três brasileiros disputam o Laureus, o ‘Oscar do esporte’

O nadador manteve seus patrocinadores pessoais mesmo depois de deixar o Corinthians e o grupo de treinamento PRO 16, encabeçado por César Cielo. Mas diz que está tendo dificuldade para acertar com um novo clube por causa da sua exigência de treinar em local próprio e escolher seu treinador, e não com profissionais que já integram os quadros dos clubes. “São absolutamente compreensíveis as exigências dos clubes, mas na natação o que vale é a confiança. Cada um se adapta com um treinador e isso é particular”.

Acompanhe VEJA Esporte no Facebook

Siga VEJA Esporte no Twitter

O nadador quer retomar a parceria com Alberto Silva, o Albertinho, com quem trabalhou na preparação para Londres. “Ele me ajudou na prata olímpica e quero repetir a parceria em 2016. A adaptação seria lenta em outra instituição com filosofia diferente de trabalho. O tempo está correndo. Quem me acompanha sabe que estou entre os top do medley há 10 anos e só em 2012 peguei medalha. Mas o resultado não foi só meu. Na natação, o pódio é de todos que me cercam, como comissão técnica, entidades e patrocinador. Por isso que é preciso mais atenção”, discursa Thiago, que tem como principal objetivo neste ano buscar uma inédita medalha no Mundial de Esportes Aquáticos, que será disputado em Barcelona, em julho.