Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Seleção tenta afastar pressão em jogo festivo contra Suécia

Sem o ouro olímpico, Brasil fará último jogo no estádio da final da Copa de 1958

Quatro dias depois de perder a final da Olimpíada de Londres para o México, a seleção brasileira volta a campo para disputar um amistoso festivo contra a Suécia nesta quarta-feira, às 15 horas. A partida será a última do Estádio Rasunda, em Solna, região metropolitana de Estocolmo, capital sueca. Foi neste campo que o Brasil derrotou os donos da casa por 5 a 2 na final da Copa de 1958, o primeiro mundial conquistado pelos brasileiros. O local será demolido para a construção de uma arena mais moderna.

Leia também: Nas outras quatro medalhas do futebol, gosto de decepção

Apesar do clima festivo e a lembrança do Estádio Rasunda ser positiva para o Brasil, a seleção brasileira entrará pressionada em campo. A diretoria da CBF garante a permanência do técnico Mano Menezes, mas parte da torcida não concorda com a decisão da entidade. “Recomeçamos neste jogo contra a Suécia a preparação para a Copa de 2014, que ficou de lado por causa dos Jogos Olímpicos”, disse Mano Menezes. Leia também: Santos quer fretar jatinho para Neymar jogar na quinta Os jogadores sabem que apenas a vitória vai acalmar os ânimos dos torcedores brasileiros. “O fato de ser uma comemoração nos deixa muito feliz, mas precisamos de uma grande atuação e que seja coroada com uma bela vitória”, disse Daniel Alves. Mano Menezes não definiu a equipe titular, mas tentará manter a base olímpica. O lateral Rafael e o zagueiro Juan, que discutiram durante o jogo contra o México, vão para o banco de reservas e Daniel Alves e David Luiz assumem as respectivas vagas. Leia também: O futuro de Neymar, o menino de prata O lateral esquerdo Marcelo, suspenso, foi desconvocado, e Alex Sandro assume a função. No ataque, Leandro Damião e Alexandre Pato continuam a disputa pela vaga de titular, com vantagem para o primeiro, artilheiro do torneio olímpico. No treino tático realizado nesta terça-feira, Mano barrou Sandro e Hulk para as entradas de Paulinho e Ramires, que formaram o meio de campo com Rômulo e Oscar, enquanto Neymar jogou mais adiantado. Homenagem – A seleção brasileira entrará em campo nesta quarta-feira com um uniforme muito parecido ao usado na final da Copa de 1958. A camisa do primeiro título mundial era azul e com gola em formato da letra V. “É legal usar essa camisa para mostrar a caminhada dos que fizeram a história da seleção. Vou guardar a minha e colocá-la em um quadro”, disse Thiago Silva. (Com agências Estado e Gazeta Press)