Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Seleção fecha ano decepcionante em 18º lugar no ranking

Felipão assumirá a equipe em sua pior colocação desde que a Fifa criou a lista

Ranking da Fifa

1. Espanha, 1.606 pontos

2. Alemanha, 1.437

3. Argentina, 1.290

4. Itália, 1.1165

5. Colômbia, 1.164

6. Inglaterra, 1.151

7. Portugal, 1.144

8. Holanda, 1.124

9. Rússia, 1.170

10. Croácia, 1.064

11. Grécia, 1.033

12. Suíça, 1.004

13. Equador, 999

14. Costa do Marfim, 995

15. México, 994

16. Uruguai, 975

17. França, 949

18. Brasil, 946

19. Argélia, 887

20. Suécia, 870

A seleção brasileira chega ao fim de um ano turbulento ocupando sua pior colocação na história do ranking da Fifa. Na última edição da lista em 2012, divulgada na manhã desta quarta-feira, o Brasil caiu mais cinco posições e agora é apenas a 18ª melhor seleção do mundo. Com isso, o único país com cinco títulos mundiais está logo à frente da Argélia, atrás de equipes como Croácia, Grécia, Suíça, Equador e Costa do Marfim. Nenhuma outra seleção que já foi campeã do mundo está atrás do Brasil no ranking, que ainda tem a Espanha como líder. A atual campeã europeia e mundial ocupa o topo da lista desde que foi a vencedora da Copa da África do Sul, em 2010. Ao fechar o ano em primeiro lugar, a Espanha ganha o título simbólico de time do ano da Fifa. Os melhores sul-americanos na relação são a Argentina, em terceiro lugar, e a Colômbia, que disparou para a quinta colocação. No penúltimo jogo do ano, a seleção empatou com os colombianos (1 a 1, nos EUA), que foram apontados pela Fifa como a equipe que mais subiu em 2012.

Leia também:

Felipão e Parreira admitem: conquistar a Copa é obrigação

Scolari prevê a manutenção da base e mudanças graduais

Com só 2 títulos após o penta, Felipão busca reeditar 2002

Outros dois vizinhos de continente, Uruguai e Equador, também estão à frente do Brasil no ranking de dezembro. É muito improvável que a seleção brasileira chegue à Copa do Mundo com uma boa colocação no ranking – afinal, por ser o país-sede, não disputa as Eliminatórias, e portanto tem poucas chances de fazer partidas oficiais, as que mais valem pontos para o cálculo da lista. A melhor chance para subir será a Copa das Confederações, no ano que vem, quando receberá seleções como Espanha, Itália e Uruguai. Como o torneio é uma competição oficial da Fifa e os adversários estão bem colocados no ranking, será uma boa chance para ganhar algumas posições. De qualquer forma, o novo técnico da equipe, Luiz Felipe Scolari, não precisa se preocupar tanto com a lista – que, no caso do Brasil, servirá pouco até 2014. Como é o país-sede, deverá ser confirmado como cabeça de chave no Mundial. Os outros ocupantes dessa posição deverão ser determinados em função da colocação no ranking e outros critérios, como tradição em Copas.

Leia também:

Em São Paulo, Joseph Blatter elogia troca rápida no cargo

CBF: os seis dias de caos no comando do futebol brasileiro

Ao convocar dupla campeã, Marin busca calmaria até 2014