Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

“Sei que é minha última chance”, diz Adriano

Depois de atropelar motociclista na segunda-feira, enquanto faltava a treino no Flamengo, jogador admite erro e confessa que deixou de treinar para fazer um churrasco

Cabisbaixo, o jogador Adriano reapareceu no Ninho do Urubu na tarde desta terça-feira. As últimas 24 horas foram complicadas para o atacante: ele faltou ao treino de segunda-feira, foi visto com garrafas de cerveja na favela Vila Cruzeiro, na zona norte, e atropelou um motociclista em uma das ruas da região. Como fez inúmeras outras vezes, Adriano pediu desculpas. Desta vez, ao técnico Dorival Júnior e ao vice-presidente de futebol, Zinho.

O diagnóstico alarmante é do próprio Adriano: “Sei que meu contrato será rompido se eu faltar de novo. E sei que é definitivamente a minha última chance. Ou paro de faltar aos treinos ou não jogarei mais futebol. Tenho que fazer de tudo para que isso não se repita”, admitiu o atacante de 30 anos, passagens por clubes europeus e pela seleção brasileira, numa entrevista coletiva à tarde. O encontro foi convocado especialmente para Adriano esclarecer o que o levou a faltar ao treino.

Ao chegar ao Ninho do Urubu, Adriano pediu para explicar aos jornalistas que realmente se ausentou do treino para promover um churrasco com os amigos na favela onde nasceu e foi criado.

Adriano recebeu a primeira das três advertências previstas em contrato para a rescisão do vínculo com o Flamengo. E deixou claro que existe a possibilidade de deixar o futebol em caso de reincidência.

Zinho, por enquanto, descartou aplicação de multa, mas aplicou “advertência verbal” e por escrito ao jogador. “Estou apostando muito na recuperação de uma pessoa, não estou preocupado só com o atleta. Quando ele tem uma recaída eu fico muito triste. Acontecer este episódio com Adriano depois da derrota para o Inter (por 4 a 1) não foi só ruim. Foi péssimo, péssimo”, condenou Zinho.

(Com Gazeta Press)

LEIA TAMBÉM:

Adriano está livre da polícia, não do torcedor