Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Segunda era Dunga começa com adversários complicados

A boa Colômbia, de James Rodríguez e Falcao Garcia, será o primeiro teste da renovada seleção brasileira. No mês que vem, objetivo será parar Lionel Messi

O recomeço da seleção brasileira depois do fiasco da Copa do Mundo não será nada fácil. Como se não bastasse o trauma vivido na semifinal diante da Alemanha e a escassez de talentos em diversas posições, a equipe terá pela frente adversários nada fáceis no início do trabalho do técnico Dunga. O primeiro teste, nesta sexta-feira, em Miami, será contra a Colômbia, uma equipe que subiu de patamar depois do Mundial. Apesar do retrospecto amplamente favorável – de 26 jogos contra a seleção colombiana, o Brasil venceu dezesseis, empatou oito e perdeu apenas duas vezes – o Brasil não pode ser visto como grande favorito na partida.

Leia também:

Os seis desafios espinhosos de Dunga na volta à seleção

Colômbia chama Zuñiga, James e Falcao para pegar Brasil

Dunga em nova era: time rápido, driblador, em busca de gols ​

Dunga convoca Robinho e Marcelo no lugar de Hulk e Alex Sandro

Dunga espera ‘o Neymar do Santos’ na seleção brasileira

Próximos jogos

5 de setembro

Brasil x Colômbia – amistoso – Miami

9 de setembro

Brasil x Equador – amistoso – Nova Jérsei

11 de outubro

Brasil x Argentina- Superclassíco das Américas, Pequim

14 de outubro

Brasil x Japão – amistoso – Cidade de Singapura

12 de novembro

Brasil x Turquia – Instambul

No último encontro, em 7 de julho, a seleção brasileira obteve uma suada vitória por 2 a 1 nas quartas de final da Copa do Mundo, em jogo marcado pela lesão de Neymar no Castelão. De lá para cá, porém, o cenário se tornou mais favorável aos vizinhos. No ranking da Fifa, a Colômbia já leva vantagem (é a quarta colocada, três posições à frente do Brasil). Além disso, o time dirigido por José Pékerman manteve a base e ganhou um reforço e tanto: o atacante Falcao Garcia, recuperado de lesão e recém-contratado pelo Manchester United.

James Rodríguez, artilheiro da Copa e contratado pelo Real Madrid com status de estrela, e o rápido Juan Cuadrado, da Fiorentina, completam um dos ataques mais temidos do futebol mundial. Por outro lado, o Brasil de Dunga entrará em campo com uma equipe ainda abalada pelo desastre na Copa – no primeiro treino para o jogo, Dunga escalou oito remanescentes da campanha.

Depois da “pedreira” colombiana, a seleção brasileira terá uma missão um pouco mais tranquila: diante do Equador, dia 9, espera-se uma vitória, apesar do curto tempo de preparação dos brasileiros. Depois, em 11 de outubro, o Brasil encara nada menos que a vice-campeã mundial Argentina, no Superclássico das Américas, em Pequim. O reencontro com Lionel Messi, no entanto, traz boas recordações a Dunga: em sua primeira passagem, o técnico venceu o craque argentino três vezes em quatro partidas: 3 a 0, em amistoso em Londres, 3 a 0 na final da Copa América de 2007 e 3 a 1 pelas Eliminatórias da Copa, em Rosário. No outro encontro, um empate em 0 a 0 no Mineirão, Messi foi aplaudido pelos mineiros e Dunga foi chamado de “burro”.

Ainda em 2014, o Brasil enfrenta Japão e Turquia, adversários mais frágeis, mas também razoavelmente competitivos. A tendência é que Dunga escale uma seleção mais “cascuda”, com a base que esteve no Mundial, contra Colômbia e Argentina. Já para os jogos teoricamente mais tranquilos, o treinador terá a chance de testar novas peças – Danilo, Gil, Elias, Philippe Coutinho, Éverton Ribeiro, Diego Tardelli e Ricardo Goulart são as novidades desta primeira lista. De qualquer forma, Dunga precisará de um Neymar inspirado (o reencontro do atacante com Zúñiga, o colombiano que o tirou da Copa do Mundo, será um dos atrativos do amistoso) para deixar uma boa impressão no início de sua gestão.