Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Schumacher e Alonso aparecem em lista de suspeitos de evasão fiscal na Suíça

Valentino Rossi, Diego Forlán, Marat Safin e Flavio Briatore também mantiveram contas suspeitas no banco HSBC entre 2005 e 2007

Grandes nomes do esporte, principalmente do automobilismo, apareceram em uma lista de suspeitos de terem enviado dinheiro a contas na Suíça para sonegar impostos. Os campeões mundias de Fórmula 1 Michael Schumacher – em recuperação de acidente em 2013 – e Fernando Alonso estão entre os mais de 130.000 nomes de clientes do banco HSBC flagrados em uma investigação feita pelo Consórcio Internacional de Jornalismo Investigativo (ICIJ, na sigla em inglês) junto com o jornal francês L’Équipe.

Leia também:

Assessor de Messi confirma desvio de dinheiro de partidas

Neymar também terá de se explicar à Justiça espanhola

Schumacher chora ao ouvir a voz dos filhos e da mulher

A investigação batizada de Swiss Leaks ou Lista Falcioni – em referência ao nome do funcionário do banco que fez a denúncia – foi iniciada em 2008. Na ocasião, dados do banco foram entregues às autoridades francesas por Helvé Falcioni, um ex-funcionário do HSBC, que afirmou que a empresa dava consultoria sobre como esses clientes deveriam proceder para burlar as leis de seus países.

Entre os suspeitos, divulgados por grandes jornais da Europa nesta segunda-feira, aparecem nomes conhecidos de várias áreas, como dos cantores David Bowe e Tina Turner, os reis da Jordânia e do Marrocos, e Emilio Botín, falecido ex-presidente do banco Santander. Entre os esportistas, aparecem Alonso, Schumacher, o italiano Valentino Rossi (estrela da MotoGP), o italiano Flávio Briatore (ex-chefe da Renault), o ex-tenista russo Marat Safin e o atacante uruguaio Diego Forlán.

A reportagem diz que não é considerado crime o ato de abrir contas bancárias em paraísos fiscais, mas o HSBC tinha o conhecimento de que seus clientes haviam obtido renda de forma ilegal ou estavam dispostos a cometer crimes de evasão. O valor total enviado pelos clientes ao paraíso fiscal entre 2005 e 2007 ultrapassou a marca de 100 bilhões de dólares (quase 280 bilhões de reais), segundo a investigação.

Em uma sessão do projeto, os nomes dos esportistas são mencionados com ressalva. “Não é nossa intenção sugerir ou indicar que quaisquer pessoas, companhias ou outras entidades incluídas neste aplicativo interativo quebraram a lei ou agiram de maneira imprópria.” O empresário de Alonso, Luís Garcia Abad, afirmou ao ICIJ que o piloto da McLaren nunca deixou de declarar seus impostos mesmo quando morou na Suíça.

(Com Gazeta Press)