Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

São Paulo repete falhas com Autuori e perde para o Vitória

Equipe do São Paulo cai por 3 a 2 para o Vitória, no estádio Barradão, em Salvador, e chega aos sete jogos oficiais sem uma vitória

Ney Franco foi demitido, Milton Cruz trabalhou interinamente, Paulo Autuori chegou, e, mesmo assim, os problemas do São Paulo continuam gritantes. Neste domingo, repetindo as mesmas falhas de sempre, a equipe tricolor foi batida pelo Vitória, por 3 a 2, em Salvador, de virada. Com isso, chegou a sete jogos oficiais sem vitória. Desde o fim da Copa das Confederações, foram quatro derrotas seguidas.

No Barradão, pela oitava rodada do Brasileirão, o São Paulo até começou o jogo bem, mas sentiu o baque ao levar o empate e, logo depois, a virada. Rogério Ceni, que falhara no primeiro gol, marcou de falta, mas foi só questão de tempo para o Vitória voltar à frente. Maxi Biancucchi marcou duas vezes e, com seis no total, é o artilheiro do torneio. Pelo lado tricolor, sobram cartões. O expulso da tarde foi Wellington.

LEIA TAMBÉM:

Com apenas três titulares, Atlético-MG vence Corinthians

Autuori terá que mostrar enorme competência para reverter o quadro no curto prazo. Na próxima quarta-feira, o São Paulo enfrenta o Corinthians no Pacaembu precisando vencer para ficar com o título da Recopa. Pelo Brasileirão, o próximo jogo é sábado, contra o Cruzeiro, no Morumbi. Nos próximos 27 dias, serão nove jogos (um a cada três dias), além de viagens a Alemanha, Portugal e Japão.

LEIA TAMBÉM:

Coritiba vence clássico e volta a liderar o Brasileirão

A péssima fase é refletida na tabela do Brasileiro, na qual o São Paulo aparece apenas na 12ª posição, com oito pontos em nove jogos. O Vitória, por outro lado, empolga a torcida. Com o triunfo deste domingo, subiu para a vice-liderança, com 13 pontos, atrás apenas do Coritiba. Assim, ganha moral para o Ba-Vi de domingo que vem.

Jogo – Mesmo sem ter conseguido treinar direito o time desde o que assumiu, na quinta, Paulo Autuori parecia ter mudado a maneira do São Paulo jogar pelo que se viu no começo da partida. Com Ganso e Maicon na armação e os laterais Juan e Lucas Farias chegando regularmente ao ataque, o time fazia o papel de anfitrião e mandava no jogo. Osvaldo era o mais perigoso e aos 9 minutos entortou Victor Ramos e cruzou para Aloísio fazer 1 a 0.

LEIA TAMBÉM:

Vargas marca duas vezes e Grêmio vence o Botafogo

Apesar da boa atuação do atacante – que também levou perigo numa boa defesa de Wilson, aos 17 minutos – a principal qualidade do São Paulo era trabalhar bem a bola na frente da área. Mas foi num lance assim que o Vitória empatou. A jogada ia bem até Maicon ser desarmado. Rodrigo Caio não parou o contra-ataque baiano e a bola chegou até Dinei, nas costas de Lúcio, que estava bastante adiantado. O atacante fugiu de Edson Silva, aproveitou falha de Rogério Ceni, e mandou para as redes.

Sintoma de um time em crise, o São Paulo sentiu o baque do empate. E deixou o Vitória mandar no jogo. Num lance aos 26, Maxi ficou cara a cara com Rogério, mas não pegou bem na bola. Dois minutos depois ele teve outra chance quando Rodrigo Caio pisou na bola dentro da área. O argentino arriscou o chute, a bola desviou no volante e enganou o goleiro, indo direto para dentro do gol.

LEIA TAMBÉM: Fora de casa, Internacional vence o Fluminense por 3 a 2

O jogo só não se transformou num passeio do Vitória já no primeiro tempo porque o São Paulo achou o empate. Aloísio foi derrubado na entrada da área e Rogério Ceni foi para cobrança. Encerrando um jejum de seis meses sem marcar de falta, o goleiro tricolor cobrou com perfeição, sobre a barreira, no canto esquerdo, longe do alcance de Wilson.

O Vitória ainda demoraria mais de 20 minutos para voltar à frente. No começo do segundo tempo, Renato Cajá perdeu duas grandes chances. Aos 3 minutos, Maxi cruzou, a zaga não cortou, e o meia errou o chute a dois passos do gol vazio. Aos 6 minutos, perdeu pênalti cometido de forma infantil por Wellington, que atropelou Escudero quando este subia para tentar um cabeceio. Nas duas bolas, mandou por cima do travessão.

LEIA TAMBÉM: Em casa, Santos goleia a Portuguesa por 4 a 1

O gol era claramente apenas questão de tempo, e saiu aos 11 minutos. Renato Cajá deu um lençol de calcanhar em Juan, abriu na direita, e de lá veio o cruzamento para Maxi fazer o sexto gol dele no Brasileirão, isolando-se ainda mais na artilharia.

Quando tentou mexer no time, Autuori optou Fabrício, que estava afastado e não jogava há três meses. Depois, trocou Maicon por Ademilson. Só não contava com mais uma demonstração da péssima fase em que vive Wellington. O volante, que já tinha um cartão amarelo (por ter reclamado exageradamente do pênalti que cometeu), deu uma tesoura em Renato Cajá em cima da linha lateral e acabou expulso.

LEIA TAMBÉM: Lomba pega dois pênaltis e garante 0 a 0 entre Bahia e Ponte Preta

Se já não tinha condições de reagir no 11 contra 11, com um jogador a menos o São Paulo ficou completamente morto. Por 23 minutos, até o apito final, se preocupou apenas em não levar o quarto gol.

(Com Estadão Conteúdo)