Clique e assine com até 92% de desconto

São Paulo quer vencer e convencer contra o Grêmio

Por Da Redação 11 set 2011, 09h52

Por Amanda Romanelli

São Paulo – O São Paulo viaja para Porto Alegre, onde enfrenta o Grêmio, neste domingo, às 18 horas, pela 23.ª rodada, como o time de melhor campanha fora de casa no Campeonato Brasileiro – conquistou sete de seus 12 triunfos como visitante, um total de 23 de seus 41 pontos. Na cola do líder Corinthians, Adilson Batista está satisfeito com a posição de seu time na tabela de classificação. Mas quer mais. Espera que, a partir de agora, o São Paulo seja não só vencedor, mas também agradável de se ver em campo.

Para o treinador, que disputa neste domingo a sua 13.ª partida pela equipe do Morumbi, não basta ganhar. É preciso “vencer e convencer” – algo que, segundo ele, ainda não aconteceu. “É importante estar entre os primeiros colocados da tabela, brigando pela liderança”, afirmou Adilson. “Mas o objetivo é melhorar para que a gente faça grandes jogos, estar vencendo e convencendo. Esta é a intenção”.

Para Adilson, o time já deu um passo rumo a essa direção na vitória por 2 a 1 contra o Atlético Mineiro, na última quarta-feira. “Neste jogo, a postura foi outra, independentemente de ter sido um jogo comemorativo ao Rogério Ceni (que alcançou a 1.000.ª partida com a camisa do clube)”. O técnico destacou a motivação dos jogadores. “Acho que tivemos uma atitude melhor”.

O discurso do treinador também vai ao encontro das pretensões do torcedor. Apesar da proximidade com o Corinthians na tabela de classificação – apenas dois pontos separam os times -, os são-paulinos ainda veem o time com desconfiança, por causa das atuações pouco convincentes. E não pensam duas vezes para encontrar o “culpado”: nos jogos, vaiam Adilson Batista e são comuns os gritos de “burro” ao técnico.

Neste domingo, o São Paulo estará escalado com praticamente a sua força máxima. O único desfalque é o volante Denílson, machucado. O lateral-direito Iván Piris reforça a equipe após três jogos de ausência porque defendia a seleção paraguaia. É apenas a segunda vez que o técnico Adilson Batista poderá repetir o time.

Continua após a publicidade
Publicidade