Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

São Paulo perde de 1 a 0 para a Ponte Preta em Campinas

Tricolor sofre derrota depois da eliminação da Copa Libertadores, com gol de Renato Cajá

A eliminação na Copa Libertadores para o Cruzeiro, na última quarta-feira, ainda pesa nos ombros dos são-paulinos. Lento, desanimado e sem poder de finalização, o time foi derrotado por 1 a 0 pela Ponte Preta neste domingo, no Estádio Moisés Lucarelli, com portões fechados. A primeira derrota no Campeonato Brasileiro saiu “barata”, pois Rogério Ceni fez grandes defesas e foi o melhor em campo.

Neste domingo, a Ponte Preta cumpriu o primeiro de dois jogos com portões fechados por causa da briga de sua torcida contra a do Joinville na Série B do Campeonato Brasileiro do ano passado. Curiosamente, a equipe conseguiu se virar sem o incentivo dos torcedores. As arquibancadas vazias foram compensadas por um esquema simples e azeitado, que garantiu o domínio durante o jogo inteiro.

A outra parte dessa boa atuação se explica pela inspiração de Renato Cajá, um meia clássico que carimba a bola em todos os lances e costuma ser lúcido na maioria deles. Foi o que fez aos 13 minutos para abrir o placar. Depois da falha de Centurión, o camisa 10 chutou de fora da área, com a cabeça erguida, e venceu o duelo pessoal com Ceni.

Leia também:

Santos vence Cruzeiro com golaço de Geuvânio

Cansado, Vasco não sai do zero contra o Figueirense no Scarpelli

O São Paulo demorou para definir sua estratégia. A equipe repetiu os erros que foram a tônica na Copa Libertadores e que contribuíram com a eliminação nas oitavas de final: a troca de passes na intermediária sem objetividade ou poder de finalização. Ninguém chuta a gol. Ganso aparecia pouco para jogar, os laterais foram pouco acionados. Além do abismo que havia entre os setores da equipe, o meio não enxergava o ataque de jeito nenhum, faltava ânimo e entusiasmo. A eliminação na Libertadores ainda pesava. Defensivamente, o time também teve atuação confusa. Mesmo com três volantes (Rodrigo Caio, Hudson e Wesley), a equipe não encontrava os meias do time campineiro, que poderia ter resolvido a partida no primeiro tempo.

A Ponte Preta resolvia a equação de seus ataques em poucos lances. Foi assim com outras duas finalizações de Renato Cajá, uma bela cobrança de falta na trave e um chute cruzado de Diego Oliveira, aos 39 minutos. As chances se sucederam também na etapa final. Das dez finalizações da Ponte Preta no início do segundo tempo, sete foram chances reais. Rogério já era o melhor do jogo, mesmo com a derrota.

Milton Cruz fez uma troca pouco usual e tirou o volante Wesley para escalar o atacante Luis Fabiano. Embora a equipe tenha chutado mais vezes a gol, acabou dando mais espaço para o rival. O time acabou derrotado.

Com a vitória, a Ponte chegou aos quatro pontos, em quinto lugar no Brasileirão. Já o São Paulo, com três, é o nono colocado. Na próxima rodada, o time de Campinas enfrenta a Chapecoense, em casa. No dia seguinte, o São Paulo visita o Internacional no Beira-Rio.

Outras partidas – O Internacional derrotou o Avaí por 1 a 0 no Beira-Rio, em Porto Alegre, com um belo gol do atacante Vitinho, A equipe da casa conquistou a primeira vitória no Campeonato Brasileiro de 2015, mesmo atuando com o time reserva. Assim, os gaúchos subiram para 12ª posição da competição, com 3 pontos. O Avaí, por sua vez, ficou na 16ª colocação, com apenas 1 ponto. O Inter voltará a jogar pelo Campeonato Brasileiro no próximo sábado, contra o Vasco, no Rio. O Avaí volta a campo no domingo, em Florianópolis, contra o Flamengo.

O jogo do Palmeiras e Joinville acabou sem gols, em Santa Catarina. Sem público no estádio (o Joinville teve de jogar com portões fechados para pagar uma punição), e em ritmo de treino, o Palmeiras continua sem vencer no Brasileirão. A partida foi marcada pela falta de criatividade alviverde. Com Zé Roberto no primeiro tempo e com Valdivia no segundo, o time paulista não conseguiu abrir a defesa adversária e encontrar espaços. Agora, são dois jogos e dois empates para o vice-campeão de São Paulo.

(Com Estadão Conteúdo)