Clique e assine a partir de 9,90/mês

São Paulo empata com Inter e sonho do título se distancia

Lance irregular beneficiou gaúchos no empate em 1 a 1 com o time do Morumbi

Por Da Redação - 12 nov 2014, 23h12

O São Paulo ficou no 1 a 1 nesta quarta-feira com o Internacional, no Morumbi, em partida antecipada da 35ª rodada e crucial para o sonho do time do Morumbi de alcançar o Cruzeiro na liderança do Brasileirão. O resultado poderia ter sido outro se o árbitro assistente Kléber Lúcio Gil visse impedimento de Paulão na abertura do placar, no começo do primeiro tempo, ou se o vice-líder tivesse vazado o inspirado goleiro Alisson mais de uma vez. O único a conseguir superá-lo foi Luis Fabiano, no início do segundo tempo.

Apesar da reclamação de ambos os lados com a fraca arbitragem – o atacante Nilmar pediu pênalti após lance duvidoso dentro da área nos acréscimos da primeira etapa e o lateral esquerdo Fabrício provocou confusão ao ser expulso no final -, o fato é que o ponto ganho pelo São Paulo pouco ajuda. O time treinado por Muricy Ramalho fica a três pontos do Cruzeiro, que ainda tem cinco jogos a fazer (um a mais). O Internacional até fura o G4, saltando da sexta para a terceira colocação, mas com os mesmos 57 pontos de outros três concorrentes a uma vaga na Libertadores.

Leia também:

Para Kaká, aposentadoria de Rogério Ceni ainda é incerta

Na reta final, Cruzeiro tem marca que jamais foi superada

CBF muda datas, ajuda São Paulo e Palmeiras e irrita Inter

Continua após a publicidade

As duas equipes voltam a campo pelo Campeonato Brasileiro no domingo. O time de Abel Braga jogará em Porto Alegre, contra o Goiás, ao passo que o São Paulo fechará a rodada enfrentando o Palmeiras, novamente no Morumbi.

O jogo – Três dias após ter sido goleado pelo arquirrival Grêmio no fim de semana, o Internacional entrou em campo com três zagueiros. Enquanto Alan Costa, Paulão e Ernando se viravam com dificuldade diante do quarteto ofensivo são-paulino – desta vez com Luis Fabiano ao lado de Alan Kardec, já que Michel Bastos foi lateral esquerdo, na ausência do uruguaio Álvaro Pereira -, o ataque colorado apostava em Jorge Henrique e Nilmar. Aos cinco minutos, o primeiro arriscou de longe um chute de efeito e obrigou defesa em dois tempos de Rogério Ceni.

O goleiro são-paulino atuaria também bastante com os pés, na saída de jogo e algumas vezes para se antecipar aos dois homens de frente adversários. Só que, aos 17 minutos, ele nada pôde fazer a não ser reclamar com a arbitragem, depois que Paulão, em condição de impedimento, usou a cabeça para desviar à rede uma cobrança de falta do meia Alex da meia direita. Descontrolado, Rogério Ceni correu até o assistente Kléber Lúcio Gil, mas não convenceu o árbitro Héber Roberto Lopes a anular o gol.

A salvo e com a vantagem no placar, o Internacional manteve, sem sucesso, a proposta de tentar surpreender em contragolpes e gastar o máximo possível de tempo. Os jogadores São Paulo, já irritados com o erro no gol, dividiam-se entre chiar com a arbitragem e ter pressa com a bola nos pés. Paulo Henrique Ganso, que deveria ser o principal armador do time, não conseguia furar a marcação e ainda recebeu cartão amarelo desnecessário, por reclamação.

Com dois minutos de bola rolando no segundo tempo, quem errou foi Rogério Ceni. Na tentativa de sair jogando, o ídolo são-paulino entregou a bola nos pés de Alex. O meia a ajeitou pouco à frente do círculo central e bateu para o gol. Muito adiantado, Rogério Ceni voltou correndo para a meta e teve a sorte de a bola passar acima do travessão. No minuto seguinte, o susto deu lugar à comemoração. Luis Fabiano pegou de primeira um cruzamento, balançou a rede e fez a festa do camisa 1.

Mesmo vazado, Alisson continuou sendo importante para o time gaúcho na partida. Aos 11, agarrou chute rasteiro de Kaká da entrada da área. Sete minutos depois, saiu do chão para buscar no ângulo esquerdo um forte cabeceio de Luis Fabiano. O São Paulo buscou a virada de outras formas, em uma falta cobrada por Rogério Ceni e em bolas alçadas à área. Nos acréscimos, Fabrício foi expulso pelo segundo cartão amarelo. Mas nem isso adiantou.

(Com Gazeta Press)

Continua após a publicidade
Publicidade