Clique e assine com até 92% de desconto

São Paulo diz que já avisou Inter da recusa e deseja falar com Oscar

Por Da Redação 15 abr 2012, 20h41

Representante do Inter nas negociações com o São Paulo por Oscar, Fernandão, diretor técnico do clube gaúcho, pediu bom senso e falou até em prepotência dos paulistas, reclamando por não ter recebido resposta em relação à proposta feita para liberar o meia. Mas o Tricolor avisa que não só informou sua recusa, como também acusa o Colorado de impedir um contato direto com o jogador.

Adalberto Baptista, diretor de futebol do São Paulo e escolhido pelo presidente Juvenal Juvêncio para tratar com o Inter no caso, insiste que sua equipe quer contar com o atleta formado em suas categorias de base. E que os portoalegrenses souberam da negativa da oferta de cerca de R$ 10 milhões logo após as quatro horas de reunião na quinta-feira, na capital paulista.

‘Quando saímos da reunião, eu já tinha avisado que a proposta, do ponto de vista financeiro, não seria aceita. Eu disse que levaria a oferta ao conhecimento do presidente e do João Paulo , que imediatamente a refutaram. Comuniquei ao Fernandão, ao advogado e ao empresário do atleta’, disse Adalberto Baptista.

O advogado do meio-campista, André Ribeiro, já deu declarações de que seu cliente prefere não jogar por conta do imbróglio jurídico do que voltar a defender o Tricolor paulista. Mas Adalberto Baptista só acredita se ouvir isso da boca do jogador. A partir daí, o clube considerará Oscar negociável e indicará um valor.

‘O Inter queria que fizéssemos uma contraoferta, mas só a faríamos se o atleta externasse para nós, sem estar blindado, o desejo de não vestir mais a nossa camisa’, afirmou o diretor de futebol do São Paulo. ‘Quero conversar pessoalmente com o atleta, solicitei um encontro com ele, mas o Inter não está permitindo. Tive quase a certeza de que ele estaria na reunião de quinta-feira, mas ele não foi’, lamentou.

Existe no Morumbi a sensação de que o atleta, que entrou na Justiça para se desvincular do São Paulo em 2010, voltaria a jogar no time que o revelou. ‘Acho que ele tem o desejo de vestir a nossa camisa. Jogou com muitos atletas na base e nunca disse que não quer jogar no São Paulo. Com uma boa conversa, deixamos os pratos limpos e o colocamos à disposição para jogar’, apostou Adalberto.

Mesmo que Oscar manifeste sua recusa em defender o Tricolor, não será liberado por algo próximo a R$ 10 milhões. ‘O valor da multa é de R$ 17 milhões. Se for negociar, todos sabem que ele vale mais, recebemos sondagens do exterior de 15 milhões de euros (cerca de R$ 36 milhões)’, relatou o diretor de futebol são-paulino.

Continua após a publicidade
Publicidade