Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

São Paulo agradece paciência da torcida e busca espírito guerreiro

Por Da Redação 13 nov 2011, 17h55

Mais uma vez, como ocorreu em todos os jogos sob o comando de Adilson Batista no Morumbi, o São Paulo chegou a ser vaiado na vitória sobre o Avaí nesse sábado na saída para o intervalo, quando o placar estava 0 a 0. O time, entretanto, não só compreende a atitude, como vê paciência. E promete responder com garra.

‘O torcedor está de parabéns, não tenho queixa nenhuma. Joguei aqui de 2001 a 2004 e nunca tinha visto tanta paciência. Incentivaram do início ao fim independentemente do resultado. Só vaiou no intervalo e com razão, porque estava 0 a 0 e precisávamos do resultado’, discursou Luis Fabiano.

Dono dos maiores públicos do Campeonato Brasileiro, levando mais de 60 mil pessoas ao Morumbi para a milésima partida de Rogério Ceni pelo clube, na vitória por 2 a 1 sobre o Atlético-MG, e a reestreia de Luis Fabiano, com derrota por 2 a 1 para o Flamengo, o Tricolor levou pouco mais de dez mil pagantes nesse sábado, diante do Avaí.

Para não perder mais a confiança de seus torcedores, a receita é se empenhar ao máximo em campo para conseguir, nestas quatro rodadas que restam, um lugar entre os cinco primeiros colocados da liga nacional, garantindo, desta forma, o retorno à Libertadores.

‘Temos que passar confiança ao torcedor com resultados positivos. É do campo que se passa essa confiança. Precisamos mostrar que queremos nos classificar para a Libertadores’, discursou Luis Fabiano. ‘O time cresceu junto contra o Avaí. Com o ataque correndo, marcando, cria-se uma disposição e vontade a mais para todos’, elogiou Rhodolfo.

Se a senha é correr na frente, não será problema. ‘Na verdade, é obrigação fazermos isso. O nosso momento não era legal e precisávamos dos três pontos’, contou Luis Fabiano. ‘É necessário acordar, se unir, batalhar… Se preciso, dar pito no companheiro. Resta a nós 0 chance, não podemos perder mais nem dar sopa para o azar. É vencer ou vencer, ou seja, correr, lutar, se doar e se sacrificar pela vitória’, indicou o camisa 9.

Continua após a publicidade
Publicidade