Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Santos tem dificuldades na grama sintética, mas vence Juan Aurich de virada

Redação Central, 15 mar (EFE).- Desacostumado com gramados artificiais, bastante incomum no Brasil, o Santos sofreu diante do Juan Aurich, principalmente no primeiro tempo, mas conquistou uma vitória por 3 a 1 de virada e se juntou ao Internacional e ao The Strongest na lista de times com seis pontos no grupo 1 da Taça Libertadores.

Mesmo com atletas que já jogaram em grama sintética em torneios de base da Conmebol, como Paulo Henrique Ganso o Neymar, o Peixe só deslanchou no estádio Elías Aguirre, em Chiclayo, quando ficou com um homem a mais, no começo do segundo tempo.

Tejada fez o primeiro gol do jogo, mas Fucile e Ganso colocaram o atual campeão do torneio continental em vantagem ainda antes do intervalo.

Com a expulsão de Guadalupe, os comandados de Muricy Ramalho tiveram mais espaço, fizeram o terceiro, com Borges, e poderiam até ter saído de campo com uma goleada.

Após três rodadas disputadas, o Peixe está atrás do Inter no saldo de gols e leva vantagem sobre o The Strongest no mesmo critério. Já o Juan Aurich ainda não pontuou e está praticamente eliminado.

Na briga pela liderança do grupo e pela classificação, o time paulista tem tudo para alcançar os nove pontos na próxima quinta-feira, quando voltarão a encarar o Juan Aurich, desta vez na Vila Belmiro.

Tentando se impor dentro de casa, a equipe peruana começou atacando. Logo nos primeiros cinco minutos do primeiro tempo, Rafael teve que salvar o Santos duas vezes, em cobrança de falta de Valencia e em chute forte de fora da área de Tejada.

No entanto, aos 14 minutos, o camisa 1 não conseguiu evitar que a bola entrasse. Kahn cruzou da esquerda, Tejada recebeu no meio, dominou, girou para cima de Durval e bateu no canto esquerdo do goleiro.

O ataque da equipe paulista não se encontrava em campo, e o goleiro Penny pouco trabalhava. Pelo menos no campo de defesa, as coisas funcionavam. Aos 26, Valencia cobrou falta e a zaga rechaçou parcialmente. Na sobra, foi a vez de Cuevo fazer o chuveirinho. Antes que Zúñiga cabeceasse, Rafael saiu do gol e segurou.

Aos poucos, depois dos 30 minutos, o Peixe foi se acertando, e o gol de empate aconteceu aos 35. Juan levantou da esquerda buscando Borges, que não alcançou. Contudo, a bola ficou Fucile, que finalizou no canto direito.

Mal comemorou o primeiro, e a equipe visitante marcou o segundo gol. Aos 39, Neymar foi derrubado por Valencia na entrada da área pela esquerda. Ganso foi para a cobrança e acertou o canto direito e contou com a falha de Penny para desempatar.

Se no início do primeiro tempo foi Rafael que se destacou, no começo do segundo, foi o goleiro peruano quem apareceu bem em duas jogas seguidas. Primeiro, o arqueiro corrigiu um erro de Guadalupe e parou um chute de Borges; a seguir, ele dividiu com Neymar e levou a melhor.

Guadalupe, que havia falhado no lance anterior, deixou o time brasileiro com um jogador a mais. O zagueiro entrou duro em Arouca e levou cartão vermelho, aos 12 minutos, facilitando a vida do Peixe.

Oito minutos depois, Neymar e Ganso tabelaram, e o atacante adiantou para Borges. O centroavante girou para cima da marcação e tirou tinta da trave esquerda. Foi um indício do que viria a seguir.

Aos 23 minutos, Ganso foi acionado no meio e tocou de primeira para Borges, que, de frente para Penny, chutou cruzado. A bola desviou no goleiro e na trave antes de entrar.

Com o 3 a 1 no placar, quem se tornou o protagoniza da segunda metade do segundo tempo foi Neymar. Primeiro, aos 27 minutos, ele trocou passes com Ganso e deixou Ibson em boas condições de finalizar. O meio-campista bateu de primeira e obrigou Penny a se virar para defender.

Pouco depois, aos 32, Ganso cobrou falta e rolou para o camisa 11, que deu uma lambreta em Rojas, mas foi desarmado na sequência. E aos 41, ele esteve muito perto de deixar sua marca, mas carimbou o travessão após cortar o zagueiro.

Ficha técnica:.

Juan Aurich: Penny; Guizasola, Fleitas, Guadalupe e Quina; John Valencia, Rojas, Kahn e Cueto (Contreras); Tejada e Zúñiga. Técnico: Diego Umaña.

Santos: Rafael; Fucile, Durval, Edu Dracena e Juan; Henrique (Adriano), Arouca, Ibson e Paulo Henrique Ganso; Neymar e Borges (Alan Kardec). Técnico: Muricy Ramalho.

Arbitragem: Roberto Silvera (Uruguai), auxiliado por seus compatriotas Mauricio Espinoza e Gabriel Popovitz.

Cartões amarelos: Quina, Valencia, Guadalupe, Fleitas, Contreras e Guizasola (Juan Aurich); Fucile, Juan e Henrique (Santos).

Cartão vermelho: Guadalupe (Juan Aurich).

Gols: Tejada (Juan Aurich); Fucile, Ganso e Borges (Santos). EFE