Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Santos perde e leva sufoco, mas é campeão paulista

Por Da Redação
2 Maio 2010, 18h56

O Santos passou por sérios apuros, mas conseguiu confirmar o favoritismo e conquistou o título do Campeonato Paulista. O time que encantou o país nos primeiros meses de 2010 sofreu muito neste domingo e perdeu para o Santo André por 3 a 2. Mesmo assim, saiu do Pacaembu com seu 18º título estadual devido à melhor campanha nas fases anteriores.

Por ter perdido o primeiro jogo por 3 a 2, o Santo André precisava vencer por dois gols de diferença neste domingo. Jogando com um jogador a mais em todo o segundo tempo, e com dois a mais nos minutos finais da partida, a equipe do ABC chegou a criar várias chances claras de abrir a vantagem necessária para ser campeã, mas pecou nas finalizações.

O primeiro tempo obedeceu sempre a um princípio: o Santo André assustava e o Santos reagia. O time do ABC calou o Pacaembu logo aos 32 segundos, quando Cicinho foi lançado na área, driblou Felipe e cruzou para Nunes só empurrar para o gol: 1 a 0.

O mérito santista foi não ter deixado o rival crescer. Em seu primeiro ataque efetivo, aos sete minutos, o Santos empatou: Robinho deixou de calcanhar para Neymar, que passou por dois adversários e bateu forte, marcando o gol.

O Santo André também não se intimidou e promoveu uma blitz – com direito a bola na trave e até a gol mal anulado de Rodriguinho por impedimento – até ficar novamente à frente no placar. Aos 20 minutos, Bruno César levantou na área e Alê subiu mais que Durval para cabecear no canto direito: 2 a 1.

Continua após a publicidade

Confusão – O ritmo eletrizante foi quebrado por um entrevero entre os jogadores. Os do Santo André revoltaram-se com Neymar, que simulou uma falta. Após muitos empurrões e bate-boca, dois foram expulsos, um de cada time: Léo e Nunes.

Quando a bola voltou a rolar, o Santos respondeu com outra linda jogada. Paulo Henrique Ganso, apático até então, deixou Neymar na cara do gol com um passe de calcanhar. Com tranquilidade, o atacante bateu de esquerda para marcar pela 14ª vez no campeonato.

Mas ainda havia espaço para mais emoção. Marquinhos deu uma tesoura por trás em Branquinho e foi expulso. O mesmo Branquinho aproveitou os espaços deixados pelos jogadores excluídos e recolocou o Santo André na frente, ao receber na área e bater com categoria, já aos 43 minutos.

Defesa – Logo no começo da etapa final, o time do ABC teve uma grande oportunidade para abrir a vantagem que precisava. Aos 5 minutos, Rodriguinho recebeu belo passe de Bruno César, driblou Felipe e bateu fraco para o gol. Aí, Arouca tirou a bola em cima da linha.

Continua após a publicidade

No entanto, mesmo com um jogador a mais em campo, o Santo André parou de jogar com velocidade e o jogo esfriou. Só voltou a reanimar aos 20, quando Paulo Henrique Ganso perdeu o gol de empate após receber na área e bater de direita, para fácil defesa de Júlio César.

Sem Robinho e Neymar, substituídos para fechar o time, o Santos sofreu ainda mais com a expulsão do volante Roberto Brum, também por falta violenta, aos 38 minutos. Dorival Júnior esboçou tirar Paulo Henrique Ganso para colocar mais um zagueiro, mas o meia se recusou a sair. O técnico, então, tirou o atacante André, que havia entrado no intervalo, para a entrada de Bruno Aguiar.

O Santo André ainda acertou a trave com Rodriguinho, já aos 45 minutos. Foi sua última chance no jogo. Aliviado, o Santos comemorou como nunca após o apito final. O título do Paulistão de 2010 vai para a Vila Belmiro.

(Com Agência Estado)

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.