Assine VEJA a partir de R$ 9,90/mês.

Santos encara a Portuguesa obrigado a voltar a vencer

Por Da Redação - 1 jul 2012, 07h48

Por Sanches Filho

Santos – Depois de deixar passar a oportunidade de vencer pela primeira vez no Campeonato Brasileiro – no domingo passado contra o Coritiba, na Vila Belmiro -, o Santos entra em campo pressionado para enfrentar a Portuguesa, neste domingo, às 16 horas, no estádio do Canindé, em São Paulo. Outro tropeço, somado à recente desclassificação na Copa Libertadores, ainda mais diante do Corinthians, poderá gerar uma enorme crise no clube.

O recado foi dado pelos torcedores que compareceram ao estádio e vaiaram o time após o empate por 2 a 2, apesar da desculpa que os jogadores ainda não haviam digerido o fracasso na principal competição sul-americana. De lá até este domingo, houve tempo de sobra para que o técnico Muricy Ramalho preparasse a equipe e cuidasse do emocional abalado dos atletas. As possibilidades de vitória são maiores porque Paulo Henrique Ganso volta.

“A Portuguesa é sempre complicada quando joga no Canindé. Ela não passou por uma boa fase no Campeonato Paulista, mas se recuperou no Brasileiro e vem de uma importante vitória contra o São Paulo”, afirmou o econômico Muricy Ramalho, após o último treino antes do jogo. O treinador tem apenas uma dúvida para escalar o time. Adriano sofreu uma pancada nas costas e apesar de ter se submetido a intenso tratamento durante a semana ainda sentia dores em uma das costelas. Se o volante for vetado pelos médicos, o garoto Wesley Douglas, de 19 anos, será o lateral-direito, com Henrique retornando à sua verdadeira posição.

Publicidade

Com o elevado número de jogadores machucados, Muricy Ramalho foi obrigado a recorrer a mais um jogador da base na última quarta-feira e no dia seguinte gostou do comportamento de Doguinha, como é chamado pelos companheiros, no coletivo.

A responsabilidade do time no Brasileirão aumentou depois da queda na Libertadores porque será a última oportunidade de conquistar um título expressivo no centenário. Mas a caminhada não será fácil. O Santos vai precisar de uma longa sequência de vitórias para ter chance de tirar a diferença de pontos que o separa do bloco de cima da tabela de classificação. E a tarefa não será fácil para um time que não se mostrou limitado ao enfrentar um sistema mais sólido de marcação.

O experiente Léo recomenda que o Santos deixe de ser tão dependente de Neymar para não sucumbir quando a sua estrela é anulada como nos dois jogos contra o Vélez Sarsfield, da Argentina, e nos duelos contra o Corinthians. Mas o time já se acostumou a transferir toda a responsabilidade de decidir jogos para o garoto de 20 anos.

Mas se o Santos, mesmo com Neymar e Paulo Henrique Ganso nos últimos jogos (o meia só não jogou contra o Coritiba), não repetiu as boas atuações do começo da temporada, há o risco de a situação piorar ainda mais em breve. É que a dupla vai se apresentar à seleção olímpica no próximo domingo e desfalcará o time em pelo menos sete rodadas do Brasileirão contra concorrentes ao título nacional como Internacional, Vasco e Atlético Mineiro.

Publicidade

Apesar das dificuldades, Muricy Ramalho acredita que com a recuperação de David Braz, Galhardo, Bernardo e Fucile (todos contundidos), além da chegada do atacante Bill e da contratação de alguns reforços, o time tem condições de brigar pelo título ou pelo menos de chegar entre os quatro primeiros, para disputar voltar à Libertadores em 2013.

Publicidade