Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Russos banidos da Rio-2016 criam competição paralela em Moscou

Batizada de "Estrelas 2016”, a competição foi idealizada em protesto à exclusão da equipe russa de atletismo por ligação com escândalo de doping

Por da redação Atualizado em 28 jul 2016, 11h14 - Publicado em 28 jul 2016, 11h10

Em protesto ao banimento do atletismo russo da Rio-2016 por ligação com o escândalo de doping generalizado na modalidade, o governo do país organizou uma competição paralela, que acontecerá nesta quinta-feira em Moscou. Batizada de “Estrelas 2016”, a competição contará com mais de 100 atletas, incluindo vários dos 68 excluídos da Olimpíada no Brasil.

“Participarão os atletas mais fortes que não receberam autorização para participar dos Jogos do Rio”, informou a Federação Russa à agência de notícias estatal russa TASS. Entre eles figurarão o campeão olímpico de salto em altura, Ivan Ukhov; e os campeões mundiais em 110 metros com barreiras, Sergey Shubenkov, e salto em altura, Mariya Kuchina.

Leia também:
Putin: ‘Rio-2016 terá menos brilho sem russos’
Putin não irá ao Rio para abertura da Olimpíada
Isinbayeva detona ‘funeral’ do atletismo: ‘Puramente político’

A bicampeã olímpica do salto com vara, Yelena Isinbayeva, por sua vez, não estará presente, pois decidiu suspender os treinamentos até esgotar todas as possibilidades de competir no Brasil. Na quarta-feira, os atletas foram recebidos no Kremlin pelo presidente Vladimir Putin, que voltou a dizer que a punição se deu por interesses políticos.

Isinbayeva, que nunca foi flagrada em um exame antidoping, denunciou o “nulo apoio” recebido por parte das autoridades esportivas e pediu a Putin – que prometeu que tentará fazer com que a justiça seja feita “no terreno legal”.

A IAAF se negou ontem a reconsiderar a decisão de vetar a equipe de atletismo russa em resposta a uma carta do ministro de Esportes da Rússia, Vitaly Mutko. Apenas a saltadora em distância Daria Klíshina tem direito a competir no Rio, já que cumpre o requisito exigido pela IAAF de treinar e realizar exames no exterior há vários anos.

(com agência EFE)

Continua após a publicidade
Publicidade