Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Ronaldinho desequilibra e Atlético-MG vence o São Paulo

Time mineiro fez 2 a 1 no rival na estreia da fase de grupos da Taça Libertadores

Por Da Redação 13 fev 2013, 23h26

A torcida do Atlético-MG, que lotou o estádio Independência nesta quarta-feira para acompanhar a estreia da equipe na Libertadores 2013 foi recompensada com um grande jogo, uma atuação decisiva de Ronaldinho Gaúcho e uma vitória ante o São Paulo por 2 a 1. O duelo marcou o retorno do time mineiro à competição mais importante das Américas após 13 anos.

O Atético-MG foi melhor no primeiro tempo, quando abriu o placar após Ronaldinho aproveitar um lateral para beber água na área do São Paulo. A defesa tricolor não acompanhou o jogador, que ficou livre para receber a bola após a cobrança e rolar para Jô marcar. O próprio Ronaldinho revelou que não era uma jogada ensaiada, e sim um lance de sorte.

Leia também:

Gol de Fred garante vitória do Fluminense na Venezuela

A partida seguiu bastante movimentada e com variações táticas dos dois lados, em um jogo digno de Libertadores. O Atlético era mais efetivo, enquanto o São Paulo não conseguia chutar em gol – o que não fez durante todo o primeiro tempo. Na segunda etapa, porém, o time do Morumbi voltou se movimentando mais e, com a entrada de Aloísio no ataque, ficou melhor no jogo. Mas numa nova jogada de Ronaldinho, o meia gaúcho foi até a linha de fundo e cruzou para Réver marcar o segundo gol mineiro. Aloísio, enfim, diminuiu o prejuízo do São Paulo após passe de Luis Fabiano.

Na sequência da Libertadores, o Atlético-MG terá compromisso contra o Arsenal (Argentina), jogo marcado para o próximo dia 26, mas antes a equipe volta as atenções para o Campeonato Mineiro. No domingo, o time enfrenta o Araxá, no Independência. Já o São Paulo recebe no dia 28 de fevereiro os bolivianos do The Strongest. O tricolor, porém, joga pelo Paulistão no sábado, encarando o Ituano no Morumbi.

O jogo – O São Paulo iniciou a partida pressionando a saída de bola atleticana, que encontrou dificuldades nos primeiros minutos. Aos poucos, o Atlético-MG equilibrou o jogo, que apresentou um cenário de muita movimentação, com as duas equipes buscando o gol com formações bastante ofensivas.

A primeira chance de gol surgiu logo aos seis minutos, e foi dos mineiros, com o avante Jô, que desviou cobrança de falta de Ronaldinho, obrigando Rogério Ceni a fazer boa defesa. O lance incendiou a torcida alvinegra, que lotou o Independência, transformando o estádio em um verdadeiro caldeirão.

Aos 13, o Atlético-MG surpreendeu a defesa do tricolor com uma cobrança perfeita de lateral de Marcos Rocha, que deixou Ronaldinho livre para dar uma verdadeira assistência para Jô, que apareceu como um verdadeiro centroavante, e empurrou para as redes, levando a torcida à loucura nas arquibancadas.

Acompanhe VEJA Esporte no Facebook

Siga VEJA Esporte no Twitter

Com vantagem no marcador, e apoiado pela torcida, o Atlético-MG aproveitou o bom momento no jogo e passou a ter as rédeas da partida. Tardelli, que fez a estreia pelo Atlético-MG, e o jovem Bernard trocaram de posições em várias oportunidades, o que confundiu a marcação do tricolor. No duelo tático, Osvaldo e Douglas também trocaram de posições, proporcionando um espetáculo digno de Libertadores.

Atuando com velocidade, o Atlético-MG quase ampliou em uma jogada que começou com uma reposição de bola do goleiro Victor, que chegou ao volante Leandro Donizete, que deixou Bernard na cara do gol, Rogério fez ótima intervenção e Tardelli desperdiçou o rebote. Com dificuldades para chegar ao ataque com qualidade, o São Paulo tentou alguns passes longos, sem muito sucesso, o que chegou a irritar o técnico Ney Franco.

Continua após a publicidade

Na volta para os segundo tempo, o Atlético-MG diminuiu o ritmo dos primeiros 45 minutos, procurando tocar a bola com paciência para encontrar espaços para explorar as jogadas em velocidade. Sem alternativas, o São Paulo foi obrigado a adiantar as linhas de marcação, correndo riscos com Bernard e Tardelli pelas laterais do campo.

Mais ousado ofensivamente, o tricolor começou a ameaçar o goleiro Victor, principalmente com Osvaldo, que criou boas jogadas. O técnico Ney Franco trocou o lateral Paulo Mirada pelo atacante Aloísio, aumentando ainda mais o poder de fogo dos visitantes. Aos 21, o São Paulo conseguiu uma roubada de bola, que permitiu Luís Fabiano ficar na cara do goleiro Victor, que operou milagre para evitar o empate.

Com o jogo entrando no último quartil, o tricolor passou a agredir o Galo com mais intensidade, procurando o gol da igualdade. Sentido que o time estava pressionado dentro de campo, a torcida resolveu apoiar o time, incentivado os jogadores. Aos 27, brilhou a estrela de Ronaldinho, que foi à linha de fundo e cruzou com perfeição para o zagueiro Réver, que de cabeça, ampliou o marcador.

O gol alvinegro no melhor momento do tricolor no jogo foi uma espécie de banho de água fria para o São Paulo. O time paulista sentiu o golpe, mas se recompôs e continuou atrás do gol. Aos 37, Luís Fabiano deu assistência para Aloísio, que ganhou dividida com Júnior César e diminuiu o placar, o que garantiu o nível da partida até o apito final do árbitro Marcelo de Lima Henrique.

Libertadores: a fase de grupos

GRUPO 1: Barcelona de Guayaquil (Equador), Nacional (Uruguai), Boca Jrs. (Argentina) e Toluca (México)

GRUPO 3: Arsenal (Argentina), The Strongest (Bolívia), Atlético-MG e São Paulo

GRUPO 5: Corinthians, San José de Oruro (Bolívia), Millonarios (Colômbia) e Tijuana (México)

GRUPO 7: Deportivo Lara (Venezuela), Universidad (Chile), Newell’s (Argentina) e Olímpia (Paraguai)

GRUPO 2: Sporting Cristal (Peru), Libertad (Paraguai), Palmeiras e Tigre (Argentina)

GRUPO 4: Vélez Sarsfield (Argentina), Peñarol (Uruguai), Emelec (Equador) e Deportes Iqueque (Chile)

GRUPO 6: Independiente (Colômbia), Cerro Porteño (Paraguai), Real Garcilaso (Peru) e Deportes Tolima (Colômbia)

GRUPO 8: Fluminense, Huachipato (Chile), Caracas FC (Venezuela) e Grêmio

(Com Gazeta Press)

Continua após a publicidade
Publicidade