Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Robôs ajudarão na organização dos Jogos Olímpicos de Tóquio-2020

As máquinas terão diversas funções, como guiar deficientes e trabalhar como intérpretes de turistas

A presença de robôs será comum durante os Jogos Olímpicos de Tóquio, no ano que vem. Eles auxiliarão na organização do evento, transportando bagagens de atletas, guiando espectadores com deficiência e atuando como intérpretes de turistas. Ao menos é o que promete o comitê organizador da Olimpíada de 2020, que pretende ser a primeira em que os robôs terão um papel central na oferta de serviços para atletas e turistas estrangeiros.

O objetivo, além da parte organizacional, é mostrar ao mundo o lado futurista do Japão, mas também cobrir a escassez de mão de obra local e a pouca fluência dos nativos em idiomas estrangeiros. Como é habitual, os Jogos Olímpicos representam a oportunidade para os anfitriões estimularem a economia por meio da construção de infraestruturas e do turismo. O governo e a organização quiseram ir além e fomentar ainda mais a indústria tecnológica.

O robô Sota – 29/11/2017

O robô Sota – 29/11/2017 (Tomohiro Ohsumi/Getty Images)

“Queremos que os Jogos de Tóquio sejam os mais inovadores da história, e os robôs desempenharão um papel fundamental para isso. Os robôs podem trabalhar com as pessoas, embora haja quem os ache assustadores ou uma ameaça”, afirmou Masaaki Komiya, vice-diretor-geral do Comitê Organizador de Tóquio 2020, ao apresentar dois modelos que serão utilizados.

O país já tem, também, os “androides vendedores”, que são capazes de desempenhar trabalhos como os de recepcionista e caixa em supermercados. Nos Jogos, os turistas verão o Human Support Robot (Robô de Ajuda aos Humanos), desenvolvido pela Toyota, uma máquina poliglota, equipada com tela e braço retrátil, que receberá o público no Estádio Olímpico de Tóquio.

Outros que serão utilizados são Sota, Zukku e RoboPin, o humanoide Emiew 3, da Hitachi, e o terminal Libra, de tamanho maior, todos testados pelo governo metropolitano da capital japonesa com o intuito de oferecer informação turística em inglês, chinês ou coreano. Além disso, os funcionários e voluntários que desempenharão tarefas logísticas durante os Jogos terão ajuda de trajes “de força assistida” da Panasonic, que são exoesqueletos motorizados ajustados às costas e às pernas. O equipamento reduz o esforço necessário para manusear objetos pesados, como malas.

A organização do evento esportivo e o governo do Japão pretendem ampliar o “exército de robôs” utilizado durante os Jogos, como parte do projeto Robô Tóquio 2020, uma plataforma que une empresas e centros de inteligência artificial do país. “O objetivo, contudo, não é exibir robôs pela mera intenção de exibi-los, mas, demonstrar a utilidade deles na vida cotidiana e como podem ajudar as pessoas”, concluiu Hirohisa Hirukawa, responsável pelo programa.

O HSR (Robô de Suporte Humano) da Toyota pega uma cesta do ‘Delivery Support Robot’ em uma demonstração do Projeto Robô Tóquio 2020 para os Jogos Olímpicos de Tóquio 2020 no Japão

O HSR (Robô de Suporte Humano) da Toyota pega uma cesta do ‘Delivery Support Robot’ em uma demonstração do Projeto Robô Tóquio 2020 para os Jogos Olímpicos de Tóquio 2020 no Japão (Kim Kyung-hoon/Reuters)

(Com EFE)