Clique e assine com até 92% de desconto

River oferece emprego a segurança do Boca demitido por celebrar com rival

Após a classificação para a final da Libertadores em La Bombonera, Néstor Gabriel Portillo comemorou com os jogadores do adversário do Flamengo na decisão

Por Da Redação Atualizado em 24 out 2019, 18h43 - Publicado em 24 out 2019, 18h34

O segurança Néstor Gabriel Portillo foi demitido pelo Boca Juniors na última terça-feira, após ser flagrado pelas câmeras de TV comemorando a classificação do River Plate à final da Copa Libertadores, em pleno estádio La Bombonera. Nas imagens, Portillo aparecia abraçando os jogadores Lucas Pratto e Matías Súarez dentro do gramado, fato este que viralizou na internet e culminou na demissão do vigilante de 45 anos. Prontamente identificado, o ex-funcionário do Boca recebeu nesta quinta uma oferta para trabalhar no rival.

A PCP Segurança Privada, empresa que atua nos jogos do Boca há 13 anos, justificou a demissão de Portillo ao acusá-lo de descumprimento de sua tarefa primordial no estádio. “Me disseram que incitei a violência com a minha conduta. Isso é uma contradição, porque o saldo da operação foi positivo”, disse, em entrevista ao jornal argentino Clarín.

“Fui até a empresa no dia seguinte e me disseram que eu precisava renunciar ao meu cargo pelo que aconteceu na Bombonera. Faço parte da PCP há 11 anos e nunca tive problemas nos campos em que trabalhei. Esta não foi a primeira vez e que saúdo os jogadores do River. A diferença é que viralizou e o Boca pediu para me demitirem”, explicou.

  • A diretoria do River Plate se solidarizou com Portillo e pediu à empresa Tech3, que faz a segurança dos jogos da equipe, para que contratasse o vigilante. “Eles me ligaram para fazer uma entrevista. Era ideia dos diretores do clube. Não queriam que eu ficasse desempregado”.

    [youtube https://www.youtube.com/watch?v=lU8K5vJiWfs?start=367%5D

    Continua após a publicidade
    Publicidade