Clique e assine com até 92% de desconto

Rio recebe bandeira paralímpica e promete transformação

Governo e prefeitura querem aproveitar Jogos de 2016 para melhorar cotidiano dos portadores de deficiência no Rio. Nuzman mira em 5º lugar no quadro geral

Por Da Redação 11 set 2012, 02h15

Para Nuzman, a chegada da bandeira paralímpica “é uma fonte de inspiração para realizarmos Jogos que transformem a percepção da nossa sociedade em relação às pessoas com deficiência e os padrões de acessibilidade do Rio”

A bandeira dos Jogos Paralímpicos chegou ao Brasil na noite desta segunda-feira, concluindo a transição de Londres-2016 para a Rio-2016. O símbolo paralímpico foi trazido pelo presidente do Comitê Organizador da Rio-2016, Carlos Arthur Nuzman, pelo presidente do Comitê Paralímpico Brasileiro, Andrew Parsons, pelo prefeito Eduardo Paes e pelo governador Sérgio Cabral. Enquanto os cartolas elogiaram o desempenho da delegação paralímpica brasileira em Londres e prometeram um desempenho ainda melhor nos Jogos do Rio, as autoridades do município e do estado prometeram aproveitar a Paralimpíada de 2016 para melhorar a situação dos portadores de deficiência na cidade dos Jogos. No desembarque, no Aeroporto do Galeão, o prefeito Eduardo Paes informou que a bandeira paralímpica será levada na terça-feira ao Centro de Referência da Pessoa com Deficiência (CRPD), que atende cerca de 300 pacientes por dia e foi inaugurado no mês passado. Depois de ser hasteada no Palácio da Cidade, a bandeira será levada à presidente Dilma Rousseff ainda nesta semana. No fim do ano, o símbolo dos Jogos será transferido ao Pavilhão Olímpico, que ainda está em construção. O local servirá para apresentar todos os projetos de infraestrutura ligados a 2016.

Leia também:

Leia também: Como a Rio-2016 viu Londres-2012 (e o que deverá imitar)

Paes, que recebeu a bandeira paralímpica na cerimônia de encerramento dos Jogos de Londres, no domingo, afirmou que a Paralimpíada “mostra a força e a capacidade que temos de transformar as coisas”. Seguindo esse exemplo, disse ele, a prefeitura tem “o compromisso de transformar o Rio em uma cidade acessível até 2016”. De acordo com a administração municipal, todos os sistemas de transporte público que o Rio está preparando ou reformando para 2016 contam com tecnologias que facilitam a acessibilidade para os portadores de deficiência. Ele reconheceu, porém, que ainda falta muito a ser feito para melhorar o cotidiano dessas pessoas na capital olímpica. Cabral também falou no “desafio de implantar políticas públicas para dar condições ideais às pessoas com necessidades especiais”. Para Nuzman, a chegada da bandeira paralímpica ao país “é mais uma fonte de inspiração para realizarmos Jogos que transformem a percepção da nossa sociedade em relação às pessoas com deficiência e os padrões de acessibilidade do Rio”. De acordo com o presidente do COB, o inédito sétimo lugar no quadro de medalhas na Paralimpíada deu início a uma nova meta para a delegação brasileira em 2016: ficar em quinto lugar no número de ouros nos Jogos. A Paralimpíada do Rio acontece entre os dias 7 e 18 de setembro de 2016.

Leia também:

Brasil faz sua melhor Paralimpíada – e quer mais em 2016

Ponte Aérea Londres-Rio: A torcida pode ser o espetáculo

Londres encerra Jogos; começa o ciclo olímpico brasileiro

Ser ou não ser voluntário em Copa e Olimpíada no Brasil?

Continua após a publicidade

(Com agências EFE e Gazeta Press)

Continua após a publicidade
Publicidade