Assine VEJA a partir de R$ 9,90/mês.

Rio-2016: Etiene Medeiros sonha com medalha na natação

Nadadora pernambucana confirmou evolução no Troféu Maria Lenk

Por Luiz Felipe Castro - 22 abr 2014, 09h02

“Tenho que treinar, nunca é suficiente […] O brasileiro é muito ambicioso e eu também sou bastante. No futuro, eu realmente penso em medalha ou pelo menos em estar na final em 2016”

A natação já rendeu ao Brasil 13 medalhas olímpicas – uma de ouro, de César Cielo, em Pequim-2008 -, porém apenas homens subiram ao pódio da modalidade até o momento. A pernambucana Etiene Medeiros, no entanto, está disposta a mudar essa escrita nos Jogos do Rio de Janeiro em 2016. Após uma ótima temporada em 2013, a atleta de 22 anos passou da condição de promessa e se tornou uma das nadadoras mais respeitadas de sua categoria. Na segunda-feira, Etiene confirmou sua ascensão ao cravar 1min00s77 nas eliminatórias dos 100m costas, no primeiro dia de competições do Troféu Maria Lenk, em São Paulo. Esta foi a melhor marca da carreira da atleta do Sesi-SP, que já admite sonhar alto para as próximas Olimpíadas.

Leia também:

César Cielo e húngara são atrações do Troféu Maria Lenk

Publicidade

Nascida em Recife, Etiene apareceu pela primeira vez no cenário nacional aos 17 anos, quando conquistou a prata nos 50 m costas no Campeonato Mundial Júnior da Fina, em 2008, no México. A confirmação de seu talento, porém, veio em agosto do ano passado, quando Etiene entrou para a história da natação feminina ao terminar em quarto lugar (com o tempo de 27s83, também na prova de 50 m) no Mundial de Esportes Aquáticos de Barcelona – melhor colocação de uma brasileira em todas as edições. Ela ainda conquistou títulos em torneios na Holanda e no Japão, em 2013. Desde então, a jovem vem intensificando seu esquema de treinamentos, visando os Jogos do Rio.

Ainda ofegante após atingir a melhor marca de sua vida nos 100 m costas, 1min00s77, Etiene Medeiros falou sobre a responsabilidade de ser uma das esperanças brasileiras para 2016. “Eu estou aprendendo a lidar com isso já faz uns dois anos, mas é isso que eu quero, nadar sempre na frente e estar entre as melhores. Estou com essa mentalidade, eu sei bem o que eu quero. Estou muito feliz, esse era o tempo que eu queria fazer”, contou. Etiene Medeiros, porém, ainda tem um longo caminho a percorrer antes de se tornar uma estrela olímpica. No último Mundial, três atletas nadaram abaixo da marca de um minuto nos 100 m costas – a campeã Missy Franklin, dos Estados Unidos, fez 58s42. Etiene, no entanto, diz saber como chegar lá. “Tenho que treinar, nunca é suficiente. Eu treinei um ano inteiro perseguindo esse marca e só consegui hoje. O brasileiro é muito ambicioso e eu também sou bastante. No futuro, eu realmente penso em medalha ou pelo menos em estar na final em 2016”. Etiene deve ter mais chances em sua prova favorita, os 50 m costas. Em Barcelona, ela ficou a apenas 54 décimos de segundo da chinesa Zhao Jing, vencedora da prova.

No fim da tarde de segunda-feira, Etiene confirmou o favoritismo na prova e levou o ouro para o Sesi-SP, mas não conseguiu superar o tempo da manhã – cravou 1m01s37. A pernambucana é uma das atrações da 54ª edição do Troféu Maria Lenk, que acontece no Parque Aquático do Conjunto Desportivo Constâncio Vaz Guimarães, no Ibirapuera, em São Paulo – o campeonato vai até sábado, com eliminatórias marcadas para as 9h30 e as finais para 17h, com entrada franca.

Publicidade