Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Rio-2016: Australianos repudiam gritos homofóbicos no Itaquerão

As arqueiras Lydia Williams, da Austrália, e Stephanie Labbé, do Canadá, foram os alvos dos torcedores

Durante o primeiro dia de competições nesta quarta-feira, um ato lamentável vindos de uma parte dos cerca de 20.000 torcedores que acompanhavam a partida de futebol feminino, entre Austrália e Canadá, na Arena Itaquera, chocou a imprensa australiana. Quase uma infeliz “tradição” nas arquibancadas brasileiras, o grito homofóbico “bicha” dirigido aos goleiros, nas cobranças de tiro de meta, ecoou novamente – e pela primeira vez em um jogo entre mulheres. As arqueiras Lydia Williams, da Austrália, e Stephanie Labbé, do Canadá, foram as vítimas da vez.

O jornal australiano The Sidney Morning Herald criticou a atitude dos torcedores como “ofensiva”. Em entrevista à publicação, o técnico da seleção da Austrália, Alen Stajcic, afirmou que nem ele nem as jogadoras entenderam os gritos, mas sabiam que se tratava de algo ofensivo.  “Não sei a história por trás disso, mas não soa agradável”, disse o treinador.

LEIA TAMBÉM:
Árbitro gay é vítima de homofobia e decide se aposentar

Copa do Mundo de 2014 – Durante o Mundial no Brasil, a Fifa foi duramente criticada por ativistas dos direitos LGBT por não punir seleções por causa do comportamento de torcedores em algumas partidas. Em uma delas, entre México e Camarões, os torcedores mexicanos entoaram gritos e insultos homofóbicos toda vez que o goleiro adversário cobrava um tiro de meta. Na época, a Fifa chegou a abrir um processo contra a Federação Mexicana de Futebol, mas no fim o caso foi absolvido.

Futebol brasileiro – Nos últimos anos, algumas torcidas do Brasil tomaram como exemplo o grito homofóbico mexicano e passaram a entoar o termo “bicha” sempre que um goleiro adversário cobra um tiro de meta. O xingamento virou um triste costume nos estádios. Em setembro de 2014, a diretoria do Corinthians divulgou uma nota de repúdio ao ato de seus torcedores e cobrou o fim das provocações.

O ex-goleiro do São Paulo, Rogério Ceni, foi o primeiro alvo, no futebol brasileiro, do canto homofóbico por parte das torcidas rivais. Curiosamente, em vez de sabotar o grito, a torcida são-paulina também começou a fazer o mesmo toda vez que um goleiro adversário batia um tiro de meta, assim como outras torcidas de outros clubes nacionais.

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. Lucianno Kolody Bay

    A VEJA se igualou ao PT, parcial e doutrinária.

    Curtir

  2. Lucianno Kolody Bay

    Os australianos são sensíveis mesmo por ser um país de homens fracos subjugados por leis feministas.

    Curtir

  3. Douglas Almeida

    Australianos parecem ficar “chocados” muito facilmente.

    Curtir

  4. Paulo Bandarra

    Eles nem sabiam o que era mas ficaram ofendidos. Vá ter consciência pesada assim…

    Curtir

  5. Lucianno Kolody Bay

    O feminismos radical deixou os australianos muito frágeis e sensíveis.

    Curtir

  6. Lucianno Kolody Bay

    australianos = c a s t r a d o s

    Curtir