Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Real Madrid enfrenta a Juventus para consolidar liderança

Equipe espanhola joga em casa e tenta terceira vitória na Liga dos Campeões

O português Cristiano Ronaldo na vitória do Real Madrid sobre o Málaga, em partida válida pelo campeonato espanhol O português Cristiano Ronaldo na vitória do Real Madrid sobre o Málaga, em partida válida pelo campeonato espanhol

O português Cristiano Ronaldo na vitória do Real Madrid sobre o Málaga, em partida válida pelo campeonato espanhol (/)

O Real Madrid busca nesta quarta-feira consolidar a liderança do Grupo B no jogo diante da Juventus, às 16h45 (horário de Brasília), no Estádio Santiago Bernabéu, na Espanha. Com seis pontos e dez gols marcados em apenas duas partidas – 6 a 1 no Galatasaray na estreia e 4 a 0 no Copenhague na segunda rodada -, o time espanhol lidera a chave com folga. O segundo colocado é a Juventus, com dois, que busca a recuperação após dois empates seguidos. Galatasaray e Copenhague completam o grupo com um ponto cada.

Leia também:

Liga dos Campeões: Milan e Barcelona empatam em 1 a 1 na Itália

Cristiano Ronaldo defende Bale sobre mau início no Real

Copa, imigração e globalização: a escolha de Diego Costa

O técnico do Real, Carlo Ancelotti, deve promover algumas mudanças com relação ao time que venceu o Malága no sábado, por 2 a 1. Iker Casillas, que já admitiu a possibilidade de deixar o clube caso permaneça na reserva, pode começar a partida como titular no lugar de Diego López. Na zaga, o francês Varane, recuperado de lesão, deve tomar a vaga de Pepe. Arbeloa, Modric e Benzema também podem ser novidades na equipe espanhola. O português Cristiano Ronaldo ressaltou a importância da vitória nesta quarta. “A Juventus é uma equipe com muita experiência, com jogadores maduros. Se chegarmos aos nove pontos, estaremos praticamente classificados.” Xabi Alonso também está recuperado de contusão e fica como opção.

Acompanhe VEJA Esporte no Facebook

Siga VEJA Esporte no Twitter

A Juventus, do técnico Antonio Conte, não poderá contar com o atacante Vucinic e com o lateral Lichtsteiner, lesionados. O italiano Fabio Quagliarella é dúvida até a partida – ele fará um teste pouco antes do início do jogo para avaliar sua situação. Nesta quarta, o chileno Arturo Vidal deve voltar à equipe titular. Fernando Llorente, companheiro de ataque de Tevez, prometeu muita vontade para vencer o jogo. “O Real Madrid é favorito. Contra equipes como esta, é vital fazermos uma partida perfeita.”

2013: Bayern

Depois de perder duas decisões em três anos – uma delas, em seu próprio estádio -, o Bayern não deixou passar a terceira oportunidade de levantar a taça. Em um clássico alemão, a equipe de Munique derrotou o Borussia por 2 a 1 no Estádio de Wembley.

2012: Chelsea

A equipe londrina surpreendeu e conquistou seu primeiro título contra o Bayern de Munique, na casa do adversário, a Allianz Arena. Didier Drogba foi o grande destaque da final, que foi decidida nos pênaltis depois de empate por 1 a 1 no tempo normal.

2011: Barcelona

Com Messi inspirado e com Pep Guardiola como técnico, o Barça foi campeão no Estádio de Wembley, em Londres, fazendo 3 a 1 no Manchester United. O jogo é considerado uma das melhores da fase de ouro da equipe catalã sob o comando de Guardiola.

2010: Internazionale

O argentino Milito foi o destaque na vitória da equipe italiana sobre o Bayern, no Estádio Santiago Bernabéu, em Madri – fez os dois gols na vitória por 2 a 0 e deu à Inter de Milão um título que não conquistava desde a década de 1960. Mourinho era o técnico.

2009: Barcelona

Eto’o e Messi marcaram os gols da vitória catalã no Estádio Olímpico de Roma, contra o Manchester United de sir Alex Ferguson e da dupla de ataque formada por Rooney e Cristiano Ronaldo. Foi o terceiro título do torneio continental para o Barça.

2008: Manchester United

Na final entre os ingleses, a equipe de Alex Ferguson levou a melhor sobre o Chelsea, no Estádio Luzhniki, em Moscou. No tempo normal, Cristiano Ronaldo abriu o placar e Lampard empatou. Na cobrança de pênaltis, Anelka perdeu e o United comemorou.

2007: Milan

Com grandes atuações de Kaká e Inzaghi, a equipe italiana se vingou da derrota para o Liverpool na final de 2005. A decisão disputada no Estádio Olímpico de Atenas foi totalmente dominada pelo Milan, que conquistou seu sétimo título da Liga dos Campeões.

2006: Barcelona

Com Ronaldinho Gaúcho em grande fase, o Barça era favorito contra o Arsenal no Stade de France, em Paris. Os ingleses saíram na frente com Campbell, mas os catalães viraram com gols de Eto’o e do brasileiro Belletti. Foi o bicampeonato do Barcelona.

2005: Liverpool

Uma das maiores surpresas da história do torneio – não pela vitória da equipe inglesa, clube tradicional na competição, mas sim pela recuperação histórica. O Milan vencia por 3 a 0 no intervalo em Istambul. O Liverpool buscou o empate e venceu nos pênaltis.

2004: Porto

Carlos Alberto e Deco estavam entre os destaques da jovem equipe do Porto treinada por um então desconhecido, José Mourinho. Do outro lado estava outra zebra, o Monaco. A final, disputada em Gelsenkirchen, terminou com vitória dos portugueses, 3 a 0.

2003: Milan

A final entre dois italianos no estádio Old Trafford, em Manchester, foi marcada pelo enorme equilíbrio. Milan e Juventus ficaram no 0 a 0 no tempo normal e na prorrogação. Na disputa por pênaltis, Dida defendeu três cobranças e Shevchenko selou a vitória do Milan.

(Com agências EFE e AFP)