Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Real Madrid anuncia faturamento recorde para 2010-2011

O Real Madrid registrou um faturamento recorde para o exercício 2010-2011 (que terminou no fim do mês de junho) em alta de 8,6%, somando 480,2 milhões de euros, o que seria o recorde mundial para uma entidade esportiva, afirmou a diretoria do clube num comunicado.

O resultado líquido foi avaliado em 31,6 milhões de euros, em forte alta de 31,7%. A dívida continua grande (169,7 milhões), mas caiu 30,6% em relação ao exercício anterior.

Já o lucro com impostos deduzidos (Ebitda), sem contar as transferências de jogadores, aumentou em 32,4%, somando 147,7 milhões de euros. Incluindo as transferências, houve uma alta de 3,7%, num total de 151,1 milhões.

O Real reduziu bastante suas despesas em termos de contratações nas duas últimas temporadas, em relação a 2009, quando gastou 94 milhões de euros com o astro português Cristiano Ronaldo e 67 milhões com Kaká.

Durante a janela de transferências do verão europeu, o clube da capital espanhola contratou o lateral português Fábio Coentrão por 30 milhões de euros e fez uma aposta para o futuro ao pagar 10 milhões pelo jovem zagueiro francês Raphaël Varane.

Seu grande rival, o Barcelona, investiu mais ao contratar o chileno Alexis Sanchez por 26 milhões de euros e ao trazer de volta Cesc Fábregas, que se formou nas categorias de base mas saiu para o Arsenal com 16 anos, ao pagar 34 milhões ao clube londrino.

Os dois ‘gigantes’ da Espanha conseguem boa parte das suas receitas a partir dos direitos de TV. Na temporada passada, a empresa Mediapro, que detém os direitos de transmissão no país, pagou 140 milhões de euros para ambos os clubes, enquanto times de menor porte, como Levante, Hercules, Gijon, Málaga e Real Sociedad, receberam apenas 12 milhões.

Esta diferença provocou uma grande polêmica na Liga Espanhola.

A título de comparação, o Manchester United, clube que mais arrecadou com direitos de TV com o Campeonato Inglês, recebeu 68 milhões de euros na temporada, somente 24 milhões a mais do que o último colocado da Premier League, o Blackpool (44M).

José Maria del Nido, presidente do Sevilla, liderou a revolta dos ‘indignados’ do futebol espanhol e convocou uma reunião com dez outros dirigentes no dia 8 de setembro para pedir uma melhor distribuição da verba oriunda dos direitos de transmissão.

Porém, Jose Maria Cruz, vice-presidente do clube andaluz, lamentou a falta de apoio dos seus ‘aliados’ durante uma reunião com a Liga de Futebol Profissional (LFP) que aconteceu na última quinta-feira.