Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Real é clube mais valioso do mundo. Corinthians é o 16º

Clube espanhol superou o Manchester United, segundo lista da revista americana 'Forbes'. O Corinthians é o primeiro clube não europeu melhor avaliado

Por Da Redação 17 abr 2013, 20h58

O Real Madrid assumiu o posto de clube de futebol mais valioso do mundo, de acordo com dados publicados nesta quarta-feira pela revista americana Forbes. O clube treinado por José Mourinho e que hoje tem Cristiano Ronaldo como principal estrela foi avaliado em 3,3 bilhões de dólares (6,6 bilhões de reais), superando o Manchester United, que estava no topo da lista desde a criação do ranking, há nove anos, e seu rival Barcelona, o terceiro colocado. O Real Madrid apresentou aumento de valor de 76% com relação ao ano passado. A lista leva em conta ingressos vendidos, receitas de patrocinadores, direitos de transmissão e até mesmo a capacidade dos estádios, entre outras variáveis. O clube da capital espanhola é considerado o mais lucrativo do mundo, graças as suas receitas de mais de 650 milhões de dólares anuais, e um lucro operacional de mais de 170 milhões milhões de dólares, segundo dados da revista.

Leia também:

X Games: Piquet vai encarar Travis Pastrana em rali cross

Surfe tenta virar esporte olímpico com ajuda de Aldo Rebelo

O Corinthians também é destaque na lista: aparece em 16º lugar, e é o primeiro clube de fora da Europa a aparecer entre os 20 primeiros colocados desde que o levantamento começou a ser realizado. A revista destacou a “criatividade” do clube paulista para desenvolver sua marca, elogiando inclusive a parceria iniciada em 2011 com o lutador Anderson Silva, campeão dos médios do UFC. A Forbes também salientou o fato de que o Brasil “vai sediar a Copa do Mundo do ano que vem, o que vai atrair mais a atenção para o futebol brasileiro”, e citou dois fatores que podem ampliar ainda mais o valor do clube nos próximos anos: a construção de seu estádio, o Itaquerão, que vai abrigar a partida de abertura da Copa de 2014, e a possibilidade de expandir a marca para o mercado internacional, que hoje praticamente ignora os clubes do país.

Acompanhe VEJA Esporte no Facebook

Siga VEJA Esporte no Twitter

(Com agências EFE e France Presse)

Continua após a publicidade
Publicidade