Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Real daria 150 mi de euros ao Santos, diz o pai de Neymar

<p>Neymar da Silva Santos prestou depoimento a juiz espanhol sobre negociação</p>

Por Da Redação Atualizado em 11 jan 2022, 19h27 - Publicado em 1 out 2014, 10h28

Neymar da Silva Santos, pai do craque Neymar, afirmou nesta quarta-feira ao juiz espanhol Pablo Ruz que o Real Madrid ofereceu ao Santos 150 milhões de euros, o equivalente a 460 milhões de reais, pelo jogador – mas o atleta preferiu ir para o Barcelona, já que sonhava em fazer parte do clube catalão e jogar com Lionel Messi. O Barça pagou um total de 86,2 milhões de euros por Neymar, 63,8 milhões de euros, ou quase 200 milhões de reais, a menos que a oferta feita por seu arquirrival. O pai de Neymar falou à Justiça da Espanha, em Madri, na condição de testemunha.

Leia também:

Presidente do Barça se livra de processo no caso Neymar

Pai de Neymar é convocado para falar à Justiça na Espanha

​Rosell diz que não leu contrato de Neymar com Barcelona

Continua após a publicidade

O juiz Pablo Ruz analisa as acusações de crime fiscal e de apropriação indevida na contratação do brasileiro pelo Barça. Fontes ouvidas pela agência de notícias EFE disseram que o testemunho do pai de Neymar durou mais de duas horas e que ele defendeu alguns dos contratos feitos com o atual clube de seu filho – como o acordo que previa um pagamento de 2 milhões de euros para que ele fosse uma espécie de olheiro do clube no Brasil. Segundo Neymar pai, esse trabalho já levou o Barça a identificar possíveis reforços no país. Ele reconheceu que recebeu altas quantias na negociação que levou seu filho à Espanha, mas defendeu seu papel como agente do craque.

A justiça espanhola investiga crime de apropriação indevida cometido pelo ex-presidente do clube, Sandro Rosell, que renunciou em meio ao anúncio de que a negociação seria alvo da Justiça da Espanha. O Barça ainda é investigado por um crime fiscal avaliado em 9,1 milhões de euros. O contrato foi firmado em Barcelona em 3 de junho de 2013, entre Neymar e seu pai e Rossell e o atual presidente do clube, Josep María Bartomeu, mas não entrou em vigor até 29 de julho de 2013. Mesmo afastado do cargo, Rosell tenta provar a legalidade do negócio.

(Com agência EFE)

Continua após a publicidade

Continua após a publicidade

Publicidade