Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Racing volta a ser campeão argentino após 13 anos

Equipe venceu o Godoy Cruz por 1 a 0 em uma festa épica em Avellaneda. Assim como em 2001, Diego Milito foi o herói do título

Um dos clubes mais tradicionais da América do Sul, o Racing sofreu, mas enfim voltou a dominar o futebol argentino. Na noite deste domingo, a equipe de Avellaneda venceu o Godoy Cruz por 1 a 0 e conquistou o título argentino depois de 13 duríssimos anos, diante de sua torcida, no estádio Juan Domingo Perón. O jovem Ricardo Centurión marcou o gol da histórica conquista. Este foi o primeiro título do Racing desde o Torneio Apertura 2001, e apenas o segundo em quase 50 anos.

Leia também:

River Plate conquista Copa Sul-Americana e encerra jejum

Técnico dedica título do River à mãe e chora nos braços de repórter que perdeu a filha

O atacante Diego Milito foi o principal protagonista da conquista. Único remanescente do título de 2001, ele retornou ao clube aos 35 anos após temporadas gloriosas pela Inter de Milão, e deixou o campo carregado pelos torcedores. Foi ele quem iniciou a jogada que culminou no gol de cabeça de Centurión aos quatro minutos do segundo tempo. Como precisava da vitória para conquistar o título, o Racing se fechou nos minutos finais e levou um grande sufoco até o alívio com o apito final.

Campeão da Libertadores e do Mundial de 1967, o Racing passou por momentos difíceis nas últimas décadas. Em 1999, a crise financeira levou o então presidente Daniel Lalin a declarar a falência do clube. Com a ajuda de seus torcedores e de um investidor, o Racing evitou a extinção e conquistou o título em 2001, também com Milito como herói. No entanto, o time ainda amargou vários anos brigando contra o rebaixamento até a conquista deste domingo.

O Racing terminou o campeonato argentino (chamado de torneio transição nesta temporada) com 41 pontos, dois a mais que o River Plate. Além disso, a equipe superou o rival Independiente em número de títulos nacionais (17 a 16) e ganhou uma vaga na Libertadores, fato que não ocorria desde 2003.

(Com agência France-Présse)