Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Quatro atletas perdem medalhas de Pequim-2008 por doping

COI anunciou nova leva de punições após reanálises de exames dos Jogos na China

Por da redação Atualizado em 31 ago 2016, 16h15 - Publicado em 31 ago 2016, 16h14

O Comitê Olímpico Internacional (COI) informou nesta quarta-feira que mais seis atletas foram flagrados em reanálises de exames antidoping da Olimpíada de Pequim-2008. Quatro destes atletas subiram ao pódio e perderão suas medalhas.

São eles: as russas Nadezda Evstyukhina, bronze no levantamento de peso, pelo uso de turinabol e EPO; Marina Shainova, prata na mesma modalidade, pelo uso de turinabol e estanozolol; e Tatyana Firova, segunda no revezamento 4×400 no atletismo, pelo uso de turinabol e um composto de testosterona, androstenediona e androstenediol. Já Tigran Martirosyan, da Armênia, bronze no levantamento de peso, utilizou indevidamente turinabol e estanozolol.

Leia também:
Isinbayeva detona funeral do atletismo: ‘Puramente político’

Russa que expôs esquema de doping diz temer pela vida
Ciclista brasileiro que disputou Rio-2016 é pego no doping

Os outros dois atletas pegos no doping foram Alexandru Dudoglo, da Moldávia, flagrado pelo uso de estanozolol, e Intigam Zairov, do Azerbaijão, que utilizou a substância ilegal turinabol. Ambos também são do levantamento de peso. No total, já se somam 98 novos casos de doping nos Jogos de Pequim-2008 e Londres-2012.

Esses novos testes fazem parte de uma investigação liderada pelo COI. As amostras têm sido guardadas por até dez anos para reanálises, à medida que surgem novas tecnologias e novos compostos ilícitos. E uma série de irregularidades vem sendo encontradas entre os atletas russos e do levantamento de peso.

Para enfrentar o problema, a modalidade colocou, entre os critérios de classificação à Olimpíada, uma restrição por acúmulo de casos de doping. Países com mais de nove atletas flagrados durante um ano poderiam ser excluídos do Rio-2016, como ocorreu com a Bulgária, que teve 11 casos no Europeu de 2015.

Já uma investigação conduzida pela Agência Mundial Antidoping (Wada, na sigla em inglês) revelou um caso de doping sistemático na Rússia. O esquema contava até com aval e apoio de autoridades do governo. O atletismo foi a primeira modalidade descoberta, mas a entidade também constatou irregularidades em outros esportes. Por enquanto, a Rússia está proibida de participar dos Jogos Paralímpicos do Rio de Janeiro.

(com Estadão Conteúdo)

Continua após a publicidade
Publicidade