Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Quartas: é hora de analisar e especular

O entrosamento é um dos pontos fortes da Alemanha. A França tem velocidade, mas não enfrentou nenhuma pedreira até agora. Alemães com leve vantagem

Eram 32, passaram 16, sobraram 8. As quartas de final da Copa do Mundo estão definidas. É hora de analisar, especular, palpitar, tergiversar. Mãos à obra.

1 – Brasil x Colômbia: Tem tudo para ser um jogo aberto e ofensivo, com boa quantidade de gols. A Colômbia de Pékerman não tem vocação para jogar na retranca, como fez o Chile principalmente no primeiro tempo das oitavas. O time de Cuadrado e James Rodríguez gosta de sair para o jogo de modo vertical, em direção ao gol. Vem embalado por uma vitória convincente sobre o Uruguai por 2 a 0. O Brasil, ao contrário, deixou má impressão na última partida pela incapacidade de criar no meio de campo, mas pode se beneficiar desse ímpeto colombiano. Encontrará mais espaços para trocar passes e terá a opção do contra-ataque, com Neymar pela esquerda e Hulk pela direita. A seleção brasileira, apesar dos problemas, é favorita.

2 – Alemanha x França: Dois times bem distintos. Os alemães fazem sua terceira Copa do Mundo praticamente com a mesma base de jogadores. O entrosamento é um de seus pontos fortes. Neuer, Lahm, Schweinsteiger, Özil, Khedira e companhia se conhecem muito bem. A partida contra a Argélia foi um teste de fogo para a seleção alemã, e o time venceu mostrando paciência, nervos no lugar, padrão de jogo, controle da posse de bola e variações táticas – como o deslocamento de Lahm do meio para a lateral e a entrada de Schürrle no comando do ataque. Já a França não passou sufoco até agora – também não enfrentou nenhuma pedreira. É uma seleção de toques rápidos e velocidade, cuja estrela é Benzema, mas talentos como Pogba, Matuidi e Valbuena também encontram espaço para brilhar. Alemães com leve vantagem.

3 – Holanda x Costa Rica: Os Ticos da América Central têm uma seleção organizada, na qual se destacam as estrelas Bryan Ruiz e Joel Campbell. Todos pensavam que a Costa Rica seria o saco de pancadas, mas chegou em primeiro lugar no grupo da morte, que tinha Uruguai, Itália e Inglaterra. Nas oitavas, fez um jogo duríssimo contra a Grécia, classificando-se na decisão por pênaltis. Os coelhos da cartola, entretanto, já foram todos retirados. Não deve passar da Holanda, um time estruturado, com craques que desequilibram uma partida, como Robben (um dos melhores da Copa), Van Persie e Sneijder. A Holanda vem de um jogo duríssimo contra o México, mas a virada que conseguiu nos minutos finais reforçou o peso da camisa e a confiança da equipe. Este é o jogo com maior desequilíbrio. Holanda favorita.

4 – Argentina x Bélgica: A Argentina deglutiu um chocolate amargo ontem no Itaquerão. Fez um dos piores jogos da Copa, contra a Suíça, com direito a prorrogação. Foram 117 minutos de sonolência e 3 minutos alucinantes. Nesses, Messi fez a diferença, arrancando com a bola dominada e servindo Di María. Em nenhum momento neste Mundial o time convenceu de que é sério candidato ao título. Tem problemas na criação das jogadas e depende muito das arrancadas individuais de Messi e Di María. Terá a primeira pedreira de fato nesta Copa. A Bélgica vem embalada por uma atuação convincente contra os Estados Unidos nas oitavas. Embora tenha vencido somente na prorrogação, assim ocorreu apenas por falta de tranquilidade na conclusão durante os 90 minutos. Os belgas tiveram muito mais volume de jogo e vêm para o confronto confiantes. Curtois, Kompany, Lukaku, Hazard, Fellaini, De Bruyne – são vários os bons jogadores. Um ataque leve e veloz, que dará muito trabalho à frágil defesa argentina. Chances iguais para ambos.