Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Punição ao Corinthians é mantida; clube quer torcida longe

Recurso do time paulista não foi aceito pela Conmebol. Diretoria pede a seus torcedores que não cumpram promessa de cercar o Pacaembu na quarta-feira

Por Da Redação 26 fev 2013, 11h01

Em nota, o Corinthians pediu à torcida que evite ir ao Pacaembu na quarta, ajudando o clube a mostrar que acatou e cumpriu a punição. A diretoria quer evitar o risco de novo tumulto

O risco de impunidade na tragédia de Oruro parece ter sido reduzido de forma significativa nesta terça-feira. Depois de uma declaração forte da delegada boliviana responsável pela investigação da morte de Kevin Estrada, sinalizando que a confissão de um menor no Brasil não significa que o episódio esteja resolvido, a Conmebol ignorou as pressões de bastidores e confirmou a punição imposta ao Corinthians na semana passada. O atual campeão da Copa Libertadores, portanto, terá de jogar sem sua torcida na quarta-feira, na partida contra o Millionarios, da Colômbia, no Estádio do Pacaembu. A diretoria do Corinthians, que não queria que o clube fosse punido pelas ações de seus torcedores, entregou sua defesa contra a punição e esperava convencer a entidade a recuar – no fim de semana, chegou a ventilar a hipótese de abandonar o torneio, o que depois acabou sendo desmentido pelo presidente do clube. Na manhã desta segunda, em nota oficial, o Corinthians informou que seu pedido não foi aceito e que o jogo de quarta acontecerá, de fato, com as arquibancadas vazias – e, se depender da direção, com todos os torcedores em casa, e não na porta do estádio, como foi cogitado pelas organizadas.

Leia também:

Na Bolívia, a confissão do menor corintiano não convence

‘Minha vida acabou’, diz menor que assumirá disparo na Bolívia

Continua após a publicidade

Corinthians contesta punição e aposta em Pacaembu cheio

A Conmebol promete anunciar a pena definitiva (o fechamento dos portões foi uma punição preventiva) em breve. O julgamento deverá ocorrer dentro de até 60 dias. Enquanto isso, os torcedores do Corinthians não terão acesso aos jogos da Libertadores, tanto em casa (quando o time jogará sem público) como fora (quando não haverá venda de bilhetes para os visitantes). As torcidas organizadas do Corinthians se mobilizam pelas redes sociais para realizar um protesto diante do estádio, apoiando o time do lado de fora – e reunindo um público até maior do que a capacidade do Pacaembu em dias de jogos. A diretoria, no entanto, se mostra preocupada com a possibilidade de ocorrer algum tumulto que prejudique ainda mais a equipe na competição. Por isso, a nota divulgada nesta terça é clara ao pedir ao torcedor que evite essa manifestação, ajudando o clube a mostrar que acatou e cumpriu a punição determinada pela Conmebol. “Pedimos ao torcedor que evite ir às imediações do estádio durante o período em que a punição valer. Tenha certeza que a camisa corintiana será, como sempre, honrada, com muito suor e determinação”, diz a nota.

Acompanhe VEJA Esporte no Facebook

Siga Veja Esporte no Twitter

Leia no Radar on-line, por Lauro Jardim:

Dois projetos de lei que dormitam na CCJ e na Comissão de Finanças da Câmara colaborariam para evitar tragédias como a ocorrida no jogo do Corinthians na cidade de Oruro. Um deles atenua a dificuldade de se identificar autores de crimes praticados dentro dos estádios, como aconteceu no caso do adolescente que diz ter atirado o artefato.

(Com agência Gazeta Press)

Continua após a publicidade
Publicidade