Clique e Assine por somente R$ 2,50/semana

Promotor força Pistorius a ver foto da cabeça de Reeva

Imagem mostrava cabeça da modelo ensanguentada depois de receber um tiro

Por Da Redação 9 abr 2014, 13h27

“Eu perguntei a um policial se poderia lavar minhas mãos porque o cheiro do sangue estava prestes a me fazer vomitar. Cada vez que via Reeva, sentia náuseas”

O promotor-chefe no julgamento de Oscar Pistorius pelo assassinato de Reeva Steenkamp, Gerrie Nel pediu, nesta quarta-feira, ao atleta para “assumir a responsabilidade” por ter matado a tiros a namorada. O promotor mostrou a Pistorius a fotografia, tirada pela políciade, de Reeva com a cabeça ensanguentada. Nel disse que a cabeça de Reeva “explodiu” quando foi atingida por um dos quatro tiros que Pisotrius disparou através da porta do banheiro da sua casa. A foto mostrava uma tomada lateral da cabeça de Reeva, com uma massa de sangue e tecidos. Os olhos estavam fechados. “É hora de você ver isso”, disse Nel, no primeiro dia em que a promotoria pôde questionar o acusado no julgamento em Pretória, na África do Sul. Pistorius respondeu que não precisava olhar a foto, porque tinha estado lá quando Reeva morreu.

Leia também:

Pistorius tira as próteses e chora ao tentar convencer o júri

Pistorius: ‘Estava tentando proteger Reeva… Peço perdão’

Mensagem da namorada de Pistorius: ‘Tenho medo de você’

Pistorius vomita durante a descrição da autópsia de Reeva

Continua após a publicidade

O promotor preparou o cenário para um interrogatório rigoroso, pedindo que Pistorius dissesse abertamente que tinha matado a namorada e o desafiou diante da declaração de que tinha cometido “um erro”. Pistorius disse que atirou acidentalmente na namorada ao confundi-la com um intruso dentro de sua casa, em 14 de fevereiro de 2013. Pistorius é acusado de assassinato premeditado e pode receber uma pena entre 25 anos de reclusão e prisão perpétua se for considerado culpado.

Nel tentou derrubar a imagem de pessoa amigável que a defesa de Pistorius tentou apresentar durante três dias de depoimentos. Logo no início, pediu para reconhecer que havia matado Reeva. “Eu cometi um erro”, disse Pistorius. “Qual foi o seu erro?”, questionou Nel. Pistorius disse: “Acabar com a vida de Reeva”. “Você a matou. Atirou e matou”, afirmou, pedindo para ele repetir. “Eu fiz”, afirmou Pistorius.

O promotor pediu ao juiz permissão para mostrar um vídeo em que Pistorius aparece disparando com uma espingarda, dizendo que era tão potente que podia “parar zumbis”. O advogado de defesa Barry Roux disse que era evidência inadmissível e poderia ser descrita como “uma emboscada”. A juíza Thokozile Masipa aceitou que o vídeo fosse mostrado.

Náuseas – Antes, Pistorius apresentou sua versão do que aconteceu no dia da morte de Reeva. Ele disse que depois de atirar na porta do banheiro chutou a porta, perfurada com as balas e colocada no tribunal como prova. Pistorius disse que tentou abrir a porta ao dar chutes com sua prótese e, em seguida, usou um bastão de críquete para mostrar como tentou chegar até Reeva. Pistorius descreveu o que chamou de os últimos minutos de vida da namorada, como a arrastou para fora do banheiro e como tomou medidas para obter ajuda depois de atirar. “Reeva morreu quando eu a estava segurando”. Ele também relatou ter co

locado os dedos na boca da mulher para tentar ajudá-la a respirar, além de pressionar seus quadris em uma tentativa de parar o sangramento causado pelo ferimento.

“Eu perguntei a um policial se poderia lavar minhas mãos porque o cheiro do sangue estava prestes a me fazer vomitar. Cada vez que via Reeva, sentia náuseas, por isso fiquei mais tempo na cozinha. Sentei ao lado da máquina de lavar roupa.”

(Com Estadão Conteúdo)

Continua após a publicidade
Publicidade