Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Programa de voluntários para Rio-2016 tem grande procura

Mais de 10.000 pessoas se inscreveram só na manhã desta quinta, diz comitê

Por Da Redação 28 ago 2014, 16h02

A possibilidade de trabalhar no voluntariado dos Jogos Olímpicos e Paralímpicos de 2016 atraiu mais de 10.000 candidatos só na primeira manhã de inscrições, por meio do site do Comitê Organizador. A expectativa é de que o número chegue a 40.000 até o fim desta quinta-feira. O presidente do Rio-2016 e do Comitê Olímpico Brasileiro (COB), Carlos Arthur Nuzman, espera que até 15 de novembro, data final das inscrições, cerca de 300.000 pessoas tenham registrado seus dados pessoais no programa, o que seria um recorde na história dos Jogos. “Sem o apoio dos governos não faríamos os Jogos, e sem os voluntários também não”, disse Nuzman. “Nós e o governo entregaremos tudo o que prometemos, e os voluntários serão os executores”, garantiu, durante a apresentação do programa, na manhã desta quinta, no Rio.

Leia também:

Rio-2016 promete entregar obras no prazo. Algumas mal começaram

Prefeito promete legado maior que o de Barcelona e sem elefante branco

A dois anos do início, Rio-2016 já tem uma cara

Continua após a publicidade

Comitê Paralímíco quer 5º lugar no quadro de medalhas

Ao todo, 70.000 voluntários vão trabalhar na Olimpíada. Desses, 45.000 atuarão nas disputas olímpicas (de 5 a 21 de agosto de 2016) e 25.000 nas paralímpicas (7 a 18 de setembro de 2016). Quem quiser vai poder participar dos dois eventos – basta fazer essa opção na ficha de inscrição. O período mínimo de trabalho é de dez dias. A ginasta brasileira Daiane dos Santos, que participa da campanha para atrair os voluntários, exaltou o trabalho deles. “O voluntário acaba sendo um incentivador e até um treinador do atleta no momento da disputa. Não só por seu país, mas para todos. Esse é o verdadeiro espírito olímpico.”

Treinamento – O diretor de RH do Comitê, Henrique Gonzalez, informou que a entidade espera receber um grande número de candidatos portadores de deficiências. “Está tudo planejado para todos terem acessibilidade. Na maioria dos cargos não há restrições”, explicou. Após as inscrições, os candidatos farão uma dinâmica on-line e, no fim de fevereiro de 2015, vão passar por uma entrevista presencial. Para isso, serão abertos postos em diversas cidades do país. Os aprovados vão iniciar o treinamento no início de 2016.

O candidato brasileiro deve ter mais de 18 anos. Não será obrigatório falar inglês ou outros idiomas. Ainda assim, o comitê vai oferecer um curso de inglês on-line, gratuitamente, durante um ano para os voluntários que quiserem. Os estrangeiros, por sua vez, terão de apresentar o número do passaporte e enfrentar um teste de conhecimento básico do português. Os voluntários vão ser alocados em nove áreas de atuação. A maior delas será a de atendimento, com 30.000 vagas. Os demais postos serão distribuídos entre esportes, tecnologia da informação, saúde, produção de cerimônias, apoio operacional, imprensa e comunicação, e protocolo e línguas. O voluntário terá de custear as próprias despesas com hospedagem e transporte para as cidades que receberão as competições – além do Rio, Salvador, São Paulo, Brasília e Belo Horizonte vão receber o torneio de futebol. O comitê garante o transporte dentro das cidades, os uniformes e a alimentação durante as competições.

(Com Estadão Conteúdo)

Continua após a publicidade
Publicidade