Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Presidente do Botafogo demite Emerson, Júlio César, Edilson e Bolívar

Dirigente disse que atraso de três meses nos salários estava sendo usado como desculpa para maus resultados

Por Da Redação 3 out 2014, 17h16

Poucas horas depois do afastamento de quatro jogadores do elenco, o presidente do Botafogo, Mauricio Assumpção, deu entrevista em General Severiano, na tarde desta sexta-feira, para anunciar que os contratos de Emerson Sheik, Bolívar, Julio Cesar e Edilson seriam rescindidos. “Estava amadurecendo esta ideia e no fim da tarde de ontem comuniquei o gerente de futebol, Wilson Gottardo, sobre minha decisão. Não houve indisciplina. Questões técnicas também pesaram”, afirmou o dirigente.

Leia também:

Uso de ‘elefantes brancos’ da Copa desequilibra Brasileirão

Brasileirão: clubes têm até 6ª para contratar; veja opções

Assumpção afirmou que os atletas estavam usando o atraso de de três meses de salários como justificativa pelos maus resultados. “A questão financeira estava sendo colocada como responsável por tudo, mas não era.” O dirigente está incomodado com a 17ª colocação da equipe no Brasileirão e disse que o afastamento será benéfico para o grupo. “Neste momento, estamos rebaixados. Sou o responsável por isso e vou tomar as atitudes que acredito salvarão o clube do descenso.”

Segundo Assumpção, os atletas, exceto Emerson, foram avisados da rescisão na quinta-feira, mas foram ao Engenhão, sabendo que não participariam dos treinos – Júlio César até se irritou ao ouvir a confirmação de sua saída. Todos os atletas demitidos faziam parte do time titular e planejam processar o clube pela falta de pagamento e pela dispensa.

Treinador – O presidente do Botafogo ainda revelou que o técnico Vagner Mancini havia pedido demissão – não aceita. “Ele colocou o cargo à disposição e disse que respeitava minha decisão. Não aceitei, pois o vejo como alguém que pode reverter nossa situação.” No fim de semana, o goleiro Jefferson, considerado o principal ídolo da equipe, criticou a diretoria dizendo que torcida, jogadores e comissão técnica estão unidos para livrar o Botafogo do risco de rebaixamento – mas a diretoria não fazia parte desses esforços.

(Com Gazeta Press e Estadão Conteúdo)

Continua após a publicidade
Publicidade