Clique e assine a partir de 9,90/mês

Presidente do Barcelona nega retorno de Neymar: ‘Não há conversa’

Segundo Josep Maria Bartomeu, o atacante quer deixar o PSG, mas o clube francês não quer liberá-lo, o que impede qualquer negociação

Por Estadão Conteúdo - 5 jul 2019, 15h52

O presidente do Barcelona, Josep Maria Bartomeu, concedeu nesta sexta-feira, 5 uma entrevista coletiva, no estádio Camp Nou, para falar sobre as polêmicas negociações e a crise interna da diretoria. O mandatário afirmou que a renúncia do vice-presidente Jordi Mestre não teve relação com as negociações de Antoine Griezmann e Neymar.

“A saída de Mestre não tem nada a ver com Neymar. Houve discrepâncias com a área esportiva e que, junto de outros motivos, levaram à sua saída. Eu o agradeço muito”, afirmou Bartomeu, que negou que o clube esteja negociando o retorno de Neymar. “Sabemos que Neymar quer sair do PSG, mas também sabemos que o PSG não quer que ele saia. Então, não há conversa.”

Jornais europeus afirmam que os brasileiros Philippe Coutinho, Malcom e o francês Ousmane Dembelé poderiam ser envolvidos na negociação do retorno de Neymar. Há alguns meses, Bartomeu disse que considerava Dembelé melhor que o brasileiro. E manteve sua posição.

“Para mim, sim, Dembelé é melhor que Neymar, é um jogador diferente e queremos que siga jogando aqui. Não gostamos de falar de jogadores de outros clubes, assim como não gostamos que outros clubes falem de nossos jogadores”, desconversou.

Continua após a publicidade

Bartomeu foi perguntado também sobre o atacante francês Antoine Griezmann, que já anunciou há algum tempo que não seguirá no Atlético de Madri. O dirigente confirmou que o Barcelona está interessado na contratação do campeão do mundo.

“Ontem tivemos uma reunião em Madri. Gil Marin (diretor de futebol do Atlético de Madrid) e Oscar Grau (dirigente do Barcelona) se encontraram e nós perguntamos se é possível uma negociação por Griezmann. Há o nosso interesse”, comentou Bartomeu.

No contrato do jogador estava previsto a partir de 1.º de julho, uma queda no valor da multa rescisória, que agora é de 120 milhões de euros (quase 515 milhões de reais), mas o time catalão tenta uma negociação sem precisar pagar essa multa.

Publicidade