Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Presidente da Fifa elogia Rússia e diz que Brasil superou ‘problemas pessoais’

País que sediará Copa de 2018 está com projeto adiantado em um ano, diz Joseph Blatter

O presidente da Fifa, Joseph Blatter, afirmou neste domingo que a Rússia está adiantada um ano no calendário de organização da Copa do Mundo de 2018. O país estima que vai gastar pelo menos 20 bilhões de dólares (cerca de 40 bilhões de reais) no torneio.

“Estamos em uma cômoda situação no que se refere à organização da Copa do Mundo na Rússia, em 2018, já que estamos com um ano de antecipação em relação ao prazo previsto”, disse Blatter, em um discurso feito em Moscou.

O dirigente também comparou os países que já organizaram ou estão organizando Copa do Mundo recentes.

Blatter disse que Coreia do Sul e Japão se preocuparam tanto com a organização que poderiam ter organizado um torneio cada um em 2002.

“Na África do Sul (que organizou a Copa de 2010), eles ficaram dançando por um ano, só porque conseguiram o direito de sediar a Copa do Mundo, então tivemos que lembrá-los que eles tinham que começar a trabalhar.”

Blatter também falou sobre o Brasil. “É a sexta economia mundial e um país do futebol. Houve alguns problemas pessoais, que já foram resolvidos. Agora todo mundo está trabalhando de mãos dadas no Brasil com uma meta, a de fazer uma boa Copa para o Brasil e para os torcedores”, disse o presidente da Fifa.

Violência das torcidas – Ao elogiar a Rússia, Blatter afirmou que o país tem dado total apoio à organização do torneio.

“Destacamos duas coisas: primeiro, o pleno apoio do governo do país, uma das chaves da organização de uma Copa. Segundo, temos profissionais a cargo da organização. Não tenho nenhuma dúvida que será um grande sucesso”, disse Blatter.

No entanto, nem todos os comentários de Blatter sobre a Rússia foram positivos. O presidente da Fifa lembrou que o país precisa combater os torcedores violentos.

“Neste jogo há paixão, e a paixão não tem limites. Não é um problema especial da Rússia. É uma questão de educação, não uma questão de futebol. Não se pode colocar toda a responsabilidade na Fifa. É um problema que deve ser identificado e erradicado”, disse.

Na quarta-feira, uma partida entre o Torpedo Moscou e o Dínamo de Moscou, pela quinta fase da Copa da Rússia, foi suspensa devido aos confrontos entre torcedores das duas equipes.

(Com agência EFE)