Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Premiê da França quer Barcelona na liga francesa em caso de independência da Catalunha

Manuel Valls colocou lenha na fogueira das questões separatistas da Espanha ao abrir as portas para seu clube do coração

O primeiro-ministro da França, Manuel Valls, meteu sua colher na política espanhola, mas por motivos esportivos. Em entrevista à revista política francesa Challenges nesta terça-feira, o político abriu as portas para o Barcelona integrar a liga francesa em caso de independência da Catalunha, um dos temas mais quentes no país vizinho no momento.

Valls, que nasceu em Barcelona e é apaixonado pela equipe de Neymar e Messi, citou o exemplo do Monaco, equipe do Principado que disputa o Campeonato Francês, para reforçar sua intenção. “O Monaco joga a Ligue 1, então por que não o Barça?”, perguntou o político, que, em outras oportunidades, se disse contra a independência da região onde nasceu.

Leia também:

Pep Guardiola: ‘Se pudesse, teria jogado pela Catalunha’​

Piqué é vaiado em jogo da Espanha e reacende discussão sobre nacionalismo

Apesar dos riscos, Barça apoia plebiscito sobre Catalunha

Liga ameaça excluir Barcelona se Catalunha se separar da Espanha

Javier Tebas, o presidente da liga espanhola, afirmou no ano passado que se a independência da Catalunha fosse confirmada, o Barcelona teria que ser excluído dos campeonatos na Espanha, assim como o Espanyol, o outro time da cidade. O Barça também poderia perder sua vaga na Liga dos Campeões, da qual é o atual campeão, o que causaria danos monumentais em suas finanças. Pesquisas feitas no país mostraram que muitos catalães condicionam seu voto à possibilidade de o Barça ser excluído das ligas.

Oficialmente, o clube se mantém neutro em relação ao tema, apesar de exibir o orgulho catalão em campanhas e até nos uniformes do time e de ter apoiado a realização de um plebiscito (sem revelar sua posição). Estrelas do Barcelona, como o zagueiro Gerard Piqué e o ex-treinador do time Pep Guardiola já causaram confusão na Espanha por participarem de festas e campanhas pró-independência.

Em 27 de setembro, os partidos separatistas conquistaram a maioria das cadeiras no Parlamento regional da Catalunha. A vitória recolocou a região no caminho de independência da Espanha, mas o processo segue em discussão no país.

Torcida do Barcelona na vitória sobre o Apoel - 17/09/2014

 (/)

(da redação)