Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Premiado, Orlando Duarte lança obra sobre origem do futebol

Aos 80 anos, o jornalista Orlando Duarte é uma enciclopédia sobre o futebol brasileiro e mundial. A paixão pelo esporte mais popular da terra o fez ganhar o reconhecimento dentro da sua profissão. Na sexta-feira passada, foi homenageado com uma placa da primeira edição do prêmio Secopa (oferecido pela Secretaria Especial da Copa do Mundo de São Paulo). Alguns dias depois, comemora o lançamento de mais uma importante obra literária.

Nesta quinta-feira, Orlando Duarte é a estrela no auditório Armando Nogueira, no Museu do Futebol, a partir das 19 horas, para a cerimônia de oficialização de seu novo livro: ‘Pioneiros – Deus criou a bola. E o homem descobriu o que fazer com ela’, lançado pela Editora Anima.

Na obra de 165 páginas, Orlando Duarte exercita uma antiga paixão, o trabalho com a história. O jornalista proporciona ao leitor informações sobre os antepassados do futebol. ‘Eu sempre amei história geral, eu gosto das histórias, quais as grandes figuras. Tudo começa pelo nome mais famoso do mundo, Pelé. O futebol é mundial, disputado em todos lugares’, diz o profissional que trabalhou em A Gazeta Esportiva por 36 anos.

O novo trabalho de Orlando Duarte passa por várias fases da história mundial e por diferentes lugares. ‘Eu começo pela China (no ano 2.600 a.C.), falo do México, Grécia, a antiga Roma, Firenze, França e a Inglaterra, onde mostramos como surgiram as regras, aí vem com Charles Miller, um cara que tinha muito interesse que as pessoas jogassem futebol no Brasil’, explica.

Os mais curiosos podem estranhar a presença chinesa na história do futebol, mas Orlando Duarte justifica a tradição de um país que não se preocupa em ficar com muitas glórias. ‘Os chineses inventaram muita coisa e não desenvolveram, descobriram a pólvora, o próprio macarrão que foi consagrado na Itália e levado por Marco Pólo’, comenta o jornalista, que também conta detalhes sobre clubes e ligas do Brasil no início do século passado.

Reconhecimento- Ao mesmo tempo em que se concentra no lançamento do livro ‘Pioneiros’, Orlando Duarte ainda aproveita os frutos da homenagem recebida pela Secopa. Na cerimônia da semana passada com a presença do prefeito Gilberto Kassab, o jornalista acabou premiado ao lado do ex-goleiro Marcos – também foram lembradas duas personalidades falecidas: o documentarista Primo Carbonari e o empresário Paulo Machado de Carvalho.

‘Como eu tenho um vasto conhecimento de Copa do Mundo, como a próxima vai ser disputada aqui no Brasil e eu ainda estava presente aos jogos de 1950, esse setor da prefeitura resolveu homenagear quatro figuras, você fica feliz e emocionado sempre que reconhecem seus méritos’, exalta.

A proximidade do grande evento esportivo no Brasil não faz, porém, Orlando Duarte esquecer das transformações vividas pelo esporte, que, em sua opinião, prejudicaram bastante uma modalidade com grande apelo junto ao público. ‘A palavra que uso para definir essas mudanças é tristeza. Onde há dinheiro, há atitudes que não merecem aplausos. O mundo profissional é assim’, define o jornalista, que, nas últimas seis décadas, só não esteve na cobertura da Copa do Mundo de 1954, na Suíça.

Veja as declarações de Orlando Duarte sobre o prêmio Secopa e a obra ‘Pioneiros’: