Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Poucos segundos de Maicon no Serra Dourada provam confiança de Leão

Por Da Redação 24 Maio 2012, 12h02

Aos 47 minutos, Maicon entrou em campo no lugar de Jadson. Aos 48, o árbitro encerrou o jogo. Mas os poucos segundos do meia no empate por 2 a 2 com o Goiás foram um aviso de Emerson Leão ao jogador e à torcida: o equívoco que gerou o quarto gol contra o Botafogo não o tira do projeto do São Paulo.

‘Pus o Maicon para todos saberem que ele está nos planos. Não é porque errou que vamos esquecê-lo’, explicou o técnico, lembrando da tentativa de drible do meia na cabeça de área que se tornou no quarto e último gol do Botafogo na derrota por 4 a 2 de domingo, no Engenhão.

Na visão do treinador, tanto o último gol adversário quanto os dois anteriores (de pênalti e em cobrança de falta que desviou na barreira) foram ‘acidentes’. ‘O jogo contra o Botafogo foi completamente atípico. Perdemos e tomamos gols que não estamos acostumados. O importante é que passou, nos recuperamos e estamos vivos’, disse Leão, classificado para as semifinais da Copa do Brasil.

Por conta do equívoco no Rio de Janeiro, torcedores são-paulinos que foram ao Serra Dourada nessa quarta-feira exibiram um cartaz com a inscrição ‘Maicon: demissão imediata!’. O jogador, entretanto, ganhou apoio do chefe em sua função de entrar no segundo tempo para manter o ritmo da equipe.Em Goiânia, contudo, a tarefa não foi necessária. Jadson manteve sua movimentação durante toda a partida e foi decisivo, marcando o primeiro gol e iniciando a jogada do segundo no empate por 2 a 2. Por isso, o camisa 10 foi elogiado pelo chefe, assim como Casemiro, que teve trabalho ao marcar na cabeça de área sem subir tanto no 3-5-2 armado par suprir os desfalques de Paulo Miranda e Denilson, suspensos.

‘Estou muito satisfeito com os rendimentos do Casemiro e do Jadson. Pedi que fossem um pouco mais inteligentes se desgastando menos para que conseguissem terminar o jogo com saúde. E eles se administraram melhor. Isso me deixa satisfeito porque existiu um diálogo e entenderam a necessidade’, afirmou Leão.

Continua após a publicidade
Publicidade