Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Por seleção, Luís Fabiano promete só uma expulsão no ano

Atacante do São Paulo jura que vai se segurar nas reclamações

Por Da Redação 27 fev 2013, 07h04

“Neste ano tenho como objetivo receber, no máximo, um cartão vermelho”, promete Luís Fabiano

Famoso tanto pelo faro de gol como pelo temporamento explosivo, o atacante Luís Fabiano prometeu que vai controlar os nervos e, para agradar ao técnico da seleção brasileira, Luiz Felipe Scolari, traçou uma meta: não será expulso mais do que uma vez em 2013. “Neste ano tenho como objetivo receber, no máximo, um cartão vermelho. De repente, posso levar por ter de matar alguma jogada, mas dificilmente eu vou tomar por reclamação. Estamos perto da Copa das Confederações e não quero deixar de ir para a seleção por indisciplina. Quero estar neste grupo e vou fazer de tudo para me manter calmo, tranquilo e bonzinho”, afirmou o atacante do São Paulo.

Leia também:

Felipão muda de ideia e prevê alterar ‘bastante’ a seleção

Entrevista derruba chefe de arbitragem da CBF

Continua após a publicidade

A preocupação do artilheiro faz certo sentido: conhecido por seu jeito turrão e disciplinador, Felipão barrou o meia Djalminha da Copa do Mundo de 2002 depois de o então jogador da La Coruña acertar uma cabeçada em seu técnico, dois dias antes da convocação final para o Mundial em que o Brasil conquistaria o penta. Luís Fabiano, por sua vez, tem um “currículo” complicado, com diversas expulsões, geralmente por reclamação ou por revidar uma agressão – como aconteceu no ano passado, na primeira partida da final da Copa Sul-Americana, contra o Tigre, quando foi expulso ainda no primeiro tempo. Suspenso, ele não estava no polêmico jogo do Morumbi em que o São Paulo venceu por 2 a 0 e ficou com o título depois de os adversários não voltarem do intervalo, acusando os seguranças do São Paulo de agressão. As principais queixas de Luís Fabiano são em lances de impedimento, como no jogo contra o Santos, no Paulistão, em que ele teve um gol anulado incorretamente. “Na verdade, eu quero reclamar. Se tivesse certeza de que não estava impedido, eu falaria. Mas, lá dentro, não tem replay e estou com uma conduta de menos reclamação’, ponderou.

O atacante promete se comportar também fora de campo, onde, por enquanto, leva vantagem sobre Fred, seu rival na última convocação, para o amistoso contra a Inglaterra. O atacante do Fluminense foi flagrado beijando uma garota no trânsito. “Essas coisas são complicadas, você tem de tomar um certo cuidado porque uma pequena notícia vira uma grande e foge das proporções. Não param de falar sobre isso e você fica marcado pela coisa que fez.” Em campo, eu me preocupo mais comigo, penso que é importante fazer meu trabalho, independentemente de ele estar fazendo gol ou não. O importante é eu fazer meus gols para ser chamado junto com ele. Na seleção, vamos disputar a posição, e o Felipão pode optar por quem achar melhor”, discursou, modesto.

Acompanhe VEJA Esporte no Facebook

Siga VEJA Esporte no Twitter

Luís Fabiano tem nesta quinta-feira mais um teste para sua prometida tranquilidade: o São Paulo recebe o The Strongest, às 21h30, no Morumbi, pela segunda rodada do Grupo 3 da Libertadores, e precisa vencer para se reabilitar da má estreia, quando perdeu por 2 a 1 para o Atlético-MG. O próximo jogo da seleção será no dia 21 de março, contra a Itália.

(Com agência Gazeta Press)

Continua após a publicidade
Publicidade