Clique e Assine VEJA por R$ 9,90/mês
Continua após publicidade

Por que cientistas querem trocar o carro oficial da Olimpíada de Paris

Especialistas publicaram carta aberta com queixa aos organizadores dos Jogos nesta quinta-feira

Por Da Redação
Atualizado em 11 jul 2024, 18h14 - Publicado em 11 jul 2024, 18h08

Um grupo de 120 cientistas, engenheiros e acadêmicos publicou nesta quinta-feira, 11, uma carta aberta com um apelo para que os organizadores da Olimpíada de Paris abandonem o Mirai, da japonesa Toyota, como carro oficial da competição, citando uma suposta violação do compromisso dos Jogos com a agenda verde. O veículo é movido a hidrogênio e, por isso, emite zero carbono do escapamento, daí o motivo da sua escolha para o maior evento de esporte do mundo. Mas há um efeito adverso: 96% do hidrogênio do planeta é derivado de combustíveis fósseis, o que torna carros movidos por essa fonte de energia mais poluentes do que veículos elétricos a bateria (EVs) e apenas ligeiramente melhores para o meio ambiente do que aqueles com motor de combustão.

“Estamos escrevendo para expressar nossa preocupação de que a promoção de um carro a hidrogênio pela Toyota esteja cientificamente desalinhada com a emissão zero e prejudique a reputação dos Jogos de 2024”, escreveram os autores, que incluem pesquisadores das universidades de Cambridge e de Oxford. “A oportunidade continua sendo de redirecionar, e pedimos que você exija que a Toyota substitua o Mirai por um Veículo Elétrico a Bateria como veículo oficial dos Jogos.”

Ao todo, a Toyota forneceu 500 carros Mirai, 10 ônibus movidos a hidrogênio e 1.150 EVs para transportar os atletas olímpicos. Segundo a empresa, o modelo oficial será abastecido por  hidrogênio derivado de água e matéria orgânica, gerado a partir de fontes renováveis. Ou seja, funcionará através de energia limpa, de forma a respeitar os protocolos dos Jogos. Os cientistas, no entanto, argumentam que a utilização dos Mirai incentiva a sua compra e, como consequência, aqueles que o adquirirem usarão hidrogênio proveniente de combustíveis fósseis, agravando o já muito preocupante cenário da mudança climática.

As mudanças climáticas tornaram as ondas de calor mortais 35 vezes mais prováveis nos Estados Unidos, no México e na América Central, de acordo com uma pesquisa da organização World Weather Attribution (WWA), publicada no final de junho. De acordo com o estudo, a queima de combustíveis fósseis e outras atividades humanas, como o desmatamento e a agricultura industrializada, são os principais responsáveis pelo aumento da frequência e intensidade do calor extremo. Além disso, a falta de uma ação política significativa para eliminar os combustíveis fósseis tornará as ondas de calor mortais “muito comuns em um mundo 2ºC mais quente”, completou o texto.

Continua após a publicidade

+ Às vésperas de Paris 2024, brasileiros já compraram quase 60 mil ingressos

Resistência da Toyota

Um estudo da Agência Internacional de Energia (IEA, em inglês) revelou que somente carros de passeio e vans foram responsáveis por cerca de 10% das emissões globais de dióxido de carbono (CO₂) relacionadas à energia em 2022. Maior montadora do mundo, a Toyota é conhecida por apresentar resistência e tentar frear a eliminação gradual dos carros com motor de combustão. É também uma das poucas grandes fabricantes que investem em opções movidas a hidrogênio. Ao mesmo tempo, tem apostado em EVs e em modelos híbridos.

“A mistura de diferentes tecnologias de veículos na frota (das Olimpíadas) reflete a estratégia global multicaminho da Toyota de que a solução certa é necessária para diferentes situações para descarbonizar o transporte dependendo da disponibilidade de energia, infraestrutura e necessidades dos clientes”, rebateu a empresa em comunicado à emissora americana CNN.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 49,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.