Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Por que a teoria da conspiração no sorteio é uma bobagem

A suspeita levantada pelos argentinos é divertida, mas não tem pé nem cabeça

Por Da Redação 11 dez 2013, 10h41

“Estúpida”, “sem nexo”, “doentia” e “insana”: esses foram alguns dos termos usados pelo secretário-geral da Fifa, Jérôme Valcke, ao comentar a teoria da conspiração que acusa a entidade de manipular o sorteio dos grupos da Copa do Mundo, na última sexta-feira, na Bahia. A suspeita, que foi levantada por um vídeo produzido na Argentina, até que é divertida: acompanhadas da trilha sonora da série Arquivo X, as imagens editadas no vídeo parecem mostrar Valcke se arriscando como ilusionista, pegando as bolinhas escolhidas por ex-craques como Zidane e Cafu e trocando o papel de dentro delas por outros que já estavam em sua bancada. O vídeo, que tinha 5,3 milhões de exibições até a manhã de terça, foi visto mais 2 milhões de vezes até a manhã desta quarta. Os comentários do francês sobre a acusação, no Marrocos, onde ele acompanhará o Mundial de Clubes, revelaram o tamanho da irritação do cartola, mas ele perdeu uma boa chance de apresentar argumentos claros e lógicos que derrubassem a história toda. E não é difícil reunir essas explicações – de fato, diante de todas as informações disponíveis sobre o sorteio e sobre o Mundial, achar que houve um grande complô para direcionar o sorteio é acreditar numa fantasia digna das tramas dos agentes Fox Mulder e Dana Scully.

Leia também:

Brasil pega Croácia, México e Camarões na Copa de 2014

EUA terão o caminho mais longo, e a Bélgica, o mais curto

Alemanha vai suar muito; Uruguai sofrerá choque térmico

No retrospecto contra as primeiras rivais, Brasil é soberano

A melhor Copa? Talvez não. Mas será, sim, a mais difícil…

https://youtube.com/watch?v=yaJ3qpaAjG0%3Frel%3D0

Continua após a publicidade
Publicidade