Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Polêmico e matador, Ibra busca na França novos ares para a carreira

Madri, 18 jul (EFE).- O artilheiro sueco Zlatan Ibrahimovic disputará o Campeonato Francês pela primeira vez e agora poderá mostrar todo o seu talento em gramados os quais pouco ou nunca visitou após ter assinado contrato com o multimilionário Paris Saint-Germain.

‘Ibra’ parecia ter encontrado no Milan um lar definitivo para o restante da carreira, depois de ter passado por Malmö, Ajax, Juventus, Inter de Milão e Barcelona, mas uma proposta espetacular do PSG o seduziu.

A imprensa italiana disse que o craque não queria deixar o time ‘rossonero’. O centroavante fez um total de 35 gols nos últimos 12 meses, 28 deles pelo Campeonato Italiano, do qual foi o artilheiro.

O sueco era o principal nome do projeto do clube italiano para a próxima temporada, e segundo alguns não gostou da transferência. A informação, entretanto, foi imediatamente rechaçada pelo jogador, que disse que a mudança era mais um sonho realizado.

O Milan contratou Ibrahimovic em 2010, visando acabar com a hegemonia da Inter de Milão no Campeonato Italiano. O objetivo foi alcançado na temporada 2011/2012, mas o feito não foi repetido na edição passada do torneio, cujo troféu ficou com a Juventus.

Ibrahimovic não é um jogador qualquer. É dos que precisam se sentir mimados. Caso contrário, o mau humor o domina e podem acontecer crises.

A torcida do Paris Saint-Germain está em estado de euforia, já que o sueco continuará atuando ao lado de um dos melhores zagueiros do mundo, o brasileiro Thiago Silva, também contratado junto ao Milan, além de ter em seu time os argentinos Ezequiel Lavezzi e Javier Pastore, e o italiano Marco Verratti.

O fundo de investimentos Qatar Sports Investments, dono do clube francês, gastou 175 milhões de euros nas duas últimas temporadas para transformar o PSG em um dos grandes europeus. E mais reforços ainda podem chegar, entre eles o meia Kaká, do Real Madrid.

Ibrahimovic chega a um clube que quer ser grande. E pode ajudar fazendo o que é capaz de fazer: gols. No entanto, há também o lado ruim: na opinião de muitos, ele costuma sumir em alguns jogos decisivos.

‘Zlatan pode mudar a história do Paris Saint-Germain’, considerou o diretor esportivo do clube parisiense, Leonardo, principal responsável pela negociação. Nela, ficou definida que o jogador de 30 anos receberá US$ 15,3 milhões por cada uma das cinco temporadas que jogará pela equipe de Paris, além das bonificações.

O atacante chega ao elenco do Paris Saint-Germain após ter feito uma boa Eurocopa, mesmo com a Suécia não passando da primeira fase, e depois de ter tido problema com o técnico anterior da seleção, Lars Lagerbäck, que o afastou da equipe durante vários meses por indisciplina.

O sucesso sempre esteve presente em sua carreira, desde que começou a jogar bola em Rosengard, bairro de Malmö, onde passou a morar com a família. Seu pai era muçulmano e sua mãe, católica, ambos de origem balcânica.

Zlatan (‘feito de ouro’ em sérvio), deu seus primeiros chutes com a camisa do FBK Balcan e se tornou profissional no Malmö. Em 2001, foi comprado por 8 milhões de euros pelo Ajax, transferência recorde no futebol sueco.

O atacante se tornou famoso na Eurocopa 2004, em que fez um belíssimo gol de calcanhar contra a Itália. A partir daí, foi atuar no Campeonato Italiano, onde jogou pelas três maiores equipes do país: Juventus, a Inter e recentemente o Milan.

A pior fase de sua carreira foi a passagem pelo Barcelona. Apesar dos vários gols marcados, Ibra deixou o clube catalão pela porta dos fundos, amargando o banco de reservas e entrando em confronto com o treinador Josep Guardiola.

O atacante também já acumulou problemas com os árbitros e jogadores adversários, o que já provocou várias suspensões durante os anos como profissional.

Cabe agora ao técnico da equipe, o italiano Carlo Ancelotti, aproveitar a melhor forma e tirar o máximo de um jogador que disse durante a apresentação ao PSG que se juntava a um ‘time dos sonhos’ e que chegava ‘para ganhar e nada mais’. EFE