Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Polêmica marcou última decisão estadual entre Botafogo e Fluminense

Botafogo e Fluminense não decidem o título estadual desde 1971, e torcedores dos dois clubes têm todos os motivos para não esquecer o jogo que foi um dos mais polêmicos da história das finais do Campeonato Carioca.

Nesta edição, os tricolores venceram por 1 a 0, gol de Lula,no final da partida, em lance que gerou muitas reclamações por parte dos alvinegros. Após cobrança de escanteio, o lateral Marco Antonio se chocou com o goleiro Ubirajara Mota e a bola sobrou para o ponteiro Lula, que empurrou a bola para as redes com um leve toque. Para o Botafogo, um lance irregular porque Marco Antonio empurrou Ubirajara, mas o árbitro José Marçal Filho confirmou o gol, considerando que não houve infração do tricolor.

A derrota foi um choque para o Botafogo, que era considerado o grande favorito para a conquista do título. O time de General Severiano era chamado de ‘Selefogo’ porque reunia jogadores que tinham sido campeões mundiais em 1970, como Jairzinho, Paulo César Caju, Carlos Alberto Torres e Brito.

O Botafogo fez uma ótima campanha, mas caiu de produção nas rodadas finais e permitiu que o Fluminense se aproximasse. O time alvinegro foi derrotado pelo Flamengo e empatou com América e Bonsucesso, reduzindo a vantagem para o Tricolor que, dirigido por Zagallo, vinha de vitórias sobre América, Vasco e Flamengo. Mesmo assim, o Botafogo chegou ao jogo final precisando apenas de um empate para ficar com o título, o que aumentou a frustração com a derrota.

FICHA TÉCNICA

FLUMINENSE1 x 0 BOTAFOGO

Local: Maracanã, no Rio de Janeiro (RJ)

Data: 27 de junho de 1971

Público: 142.339 pagantes

Árbitro: José Marçal Filho (RJ)

Cartão Vermelho: Carlos Roberto (Botafogo)

Gol: FLUMINENSE: Lula aos 43 minutos do 2Tempo

FLUMINENSE: Félix; Oliveira, Galhardo, Assis e Marco Antônio; Silveira, Didi (Flávio), Wilton (Cafuringa) e Cláudio; Ivair e Lula

Técnico: Zagallo

BOTAFOGO: Ubirajara Mota; Carlos Alberto Torres (Mura), Brito, Osmar e Paulo Henrique; Nei Conceição, Carlos Roberto, Zequinha (Paraguaio) e Nilson Dias; Careca e Paulo César Lima

Técnico: Egídio Landolfi ‘Paraguaio’